A casa dos grandes pensadores
 
 
 

DANIEL CRISTAL

 


 

 

AGNUS DEI
(1)
Daniel Cristal
 
Estão à minha espera os arcanjos
num céu muito estelar, sorrindo sempre;
lêem-me como a virgem no altar
com as damas que cuidam do rebanho.
 
Quando escrevo, escuto sons de banjos,
uma ou outra lira benquerente,
a voz de várias divas a amar,
pedindo mansidão pelo seu anho.
 
"Agnus Dei"  assim crente, em ti me cerro,
anho mais céu que terra, sem pecado,
tirai a imperfeição que nos sobeja!
 
A tua mão me proteja quando erro,
corrige-me na crença este meu fado,
ampara-me no acto quando aleija.
 
02.04.2006
 

 
AGNUS DEI
(2)
Daniel Cristal
 
Ampara-me no acto que aleija,
neste, nesse ou noutro passo incerto.
Ampara-me na vida e fica perto
quando a alma já não sabe o que almeja.
 
Não te afastes de mim, mantém a Luz,
mantém a crença viva sem parar...
Corra eu no meu rio, ou no teu mar,
garante o direito de ser a quem tem jus.
 
Oferece a palavra a quem a lavra,
não deixes que abalroem esta senda,
porque o erro aconselha a sua emenda...
 
Ajuda-me a amansar a gente brava;
essa gente que nunca encontrou
a via, onde feliz, me (a)firmo e vou.
 
03.04.2005
 
 
AGNUS DEI
(3)
Daniel Cristal
 
Menino, me recordo das tuas asas,
da tua mão protectora, teu sorriso,
que transformava o monte em plano liso,
e uma maré-cheia, numa maré-rasa.
 
A tua mão conduzia-me com prudência
por veredas brincando com amigos,
à escola da Igreja entre trigos,
e o desvio indicavas na urgência.
 
Vigilante, oravas pela criança,
por toda a criança, certamente,
pois que todas te amavam cegamente;
 
E hoje sem já ter muita esperança
dum mundo feito à tua semelhança,
vejo-te à minha frente bem presente.
 
04.03.2005

Daniel Cristal

Publicação: www.paralerepensar.com.br  06/04/2006