A casa dos grandes pensadores A casa dos grandes pensadores
Retornar para contos de Natal
 

NATAL MAQUINAL

Por Daniel Cristal

 

NATAL MAQUINAL  

Maquinalmente o menino foi posto,
Ali, sobre as palhas da manjedoura.
Todos os anos encontro-o formoso,
Bem opulento, de cabeça loura.
 
Olhos piedosos, divina expressão,
Dois dedos a indicar a salvação...
Recebe reis que lhe rendem homenagem
ou somos nós quem precisa dessa imagem?
 
Outro menino imaginei diferente,
Pobre, franzino, de tudo carente,
De ajuda e piedade precisado...
 
Este, com tanta personalidade,
Como está, ciente da divindade,
Não precisa de reis magos, nem de nada!