Compre o seu livro aqui!

 

 
A casa dos grandes pensadores A casa dos grandes pensadores

| Principal | Introdução | Autores | Construtor I Textos | Fale conosco PubliqueBusca no site I Termos de uso  I

Retornar

 

 

ÍNDICE

1 - Quanto ao Tempo
2 - Três
3 - Lá Em Algum Lugar
4 - Uns Dias
5 - Tendo A Lua
6 - Fui Eu
7 - Esta Tarde
8 - Fingido
9 - Seja Você
10 - Dos Restos
11 - Dois Elefantes
12 - Assaltaram A Gramática
13 - A Outra Rota
14 - Na Nossa Casa
15 - Capitão De Indústria
16 - O Caroço da Cabeça
17 - Busca Vida
18 - Sempre Te Quis
19 - Seguindo Estrelas
20 - Saber Amar
21 - Quase Um Segundo
22 - Partir Andar
23 - Romance Ideal
24 - O Fundo Do Coração
25 - Nebulosa Do Amor
 

 

Os Paralamas do Sucesso
 

 

Letras de música

Quanto Ao Tempo

Os Paralamas do Sucesso
Composição: Carlinhos Brown
Quanto tempo te esperei
E o passado assim passou
Hoje o céu mudou de tom
Pra falar do nosso amor
Acho que sonhei igual
Como a chuva no quintal
Acho que sonhei do bom
Hoje o céu mudou de tom

É, eu já sei como iluminar a nossa fonte
É, eu já consigo ver além do horizonte
É, e os detalhes tão pequenos de nós dois
Ficaram pra depois
É, sonhei de tudo como um dia de domingo
É, o que vier para nós dois será bem vindo
É, mas não demore quanto ao tempo pra chegar
Chegou

Lágrimas não são forever
Dores já não são together
Quando a gente ama e espera
Um dia assim chegar
Chegou

Índice

Três

Os Paralamas do Sucesso
Composição: (Herbert Vianna)
Do outro lado tem alguém
Que não consegue atravessar
Três batidas, um segredo
Tão difícil de falar
Mas é tão simples também
Eu podia ajoelhar
Te chamar com toda a força
Não ia te acordar
Não ia ter ninguém
Mas eu posso te esperar
Outra noite, outro dia
A chuva nem precisava parar
Se fosse morna já me bastaria
Três sombras, três punhais
E uma cama vazia
Tuas lembranças, teus sinais
Não vão me acordar
Não ia haver ninguém

Índice

Lá Em Algum Lugar

Os Paralamas do Sucesso
Composição: (Herbert Vianna)
Não importa se o que ficou
Marcou, doeu, me machucou
Nem a porta que se fechou
Eu sei que lá em algum lugar
Ficou uma luz acesa
No escuro desse amor
Que se apagou
A luz que um dia brilhou
Só existe num canto do coração
Naquela carta, nessa canção de amor
Uma luz acesa
No escuro, meu amor

Índice

Uns Dias

Os Paralamas do Sucesso
O expresso do oriente
Rasga a noite, passa rente
E leva tanta gente
Que eu até perdi a conta

Eu nem te contei uma novidade, quente
Eu nem te contei

Eu tive fora uns dias
Numa onda diferente
E provei tantas frutas
Que te deixariam tonta
Eu nem te falei
Da vertigem que se sente

Eu nem te falei
Que eu te procurei
Pra me confessar
Eu chorava de amor

E não porque sofria
Mas você chegou já era dia
E não estava sozinha
Eu tive fora uns dias
Eu te odiei uns dias
Eu quis te matar

Índice

Tendo A Lua

Os Paralamas do Sucesso
Composição: Herbert Vianna; Tet Tillett
Eu hoje joguei tanta coisa fora
Eu vi o meu passado passar por mim
Cartas e fotografias gente que foi embora.
A casa fica bem melhor assim

O céu de ícaro tem mais poesia que o de galileu
E lendo teus bilhetes, eu penso no que fiz
Querendo ver o mais distante e sem saber voar
Desprezando as asas que você me deu

Tendo a lua aquela gravidade aonde o homem flutua
Merecia a visita não de militares,
Mas de bailarinos
E de você e eu.

Eu hoje joguei tanta coisa fora
E lendo teus bilhetes, eu penso no que fiz
Cartas e fotografias gente que foi embora.
A casa fica bem melhor assim

Tendo a lua aquela gravidade aonde o homem flutua
Merecia a visita não de militares,
Mas de bailarinos
E de você e eu.

Tendo a lua aquela gravidade aonde o homem flutua
Merecia a visita não de militares,
Mas de bailarinos
E de você e eu.

Índice

Fui Eu

Os Paralamas do Sucesso
Composição: (Herbert Vianna)
Os pés descalços
queimam no asfalto
Os carros passam -
vêm e vão
Eu dobro a esquina
Eu vou na onda
Pego carona na multidão

Você olhou, fez que não me viu
Virou de lado, acenou com a mão
pegou um táxi, entrou, sumiu
Deixou o resto de mim no chão

Vai ver que a confusão
Fui eu que fiz, fui eu

Há algo errado no paraíso
É muito mais que contradição
Sou eu caindo num precipício
Você passando num avião

Você olhou, fez que não me viu
Foi como se eu não estivesse ali
Desligou a luz, deitou, dormiu
Nem pensou em se divertir

Índice

Esta Tarde

Os Paralamas do Sucesso
Alguma invenção
Que faça o tempo parar esta tarde

Quando se for o sol
Que a luz desse dia nunca acabe

Esteja sempre perto, sempre longe dos covardes

O errado e o certo, pra ter raiva e ter piedade
Arcos de toda cor vão escrever teu nome
Na paisagem
Te levo pela mão

E o viajar já é mais que a viagem

Índice

Fingido

Os Paralamas do Sucesso
Composição: (Herbert Vianna)
Não sei se eu te amo pra sempre
Ou pra nunca mais
Se o futuro é em frente
Ou já ficou pra trás
Será que o amor é o que basta
Pra nos salvar?
Ou o meu ódio pra nos separar?
Amor mais doente, ódio mais fingido
Difícil encontrar!
Por tanto tempo tem sido assim
Teu jeito de não, minha boca de sim
Será que algum dia eu ainda
Vou ter que me atirar
De uma ponte, aos teus pés, numa curva
Ou tanto faz?

Índice

Seja Você

Os Paralamas do Sucesso
Vai sempre ter alguém
Com mais dinheiro, mais respeito
Mais ou menos tudo o que se pode ter
Vai sempre sobrar, faltar
Alguma coisa, somos imperfeitos
E o que falta cega p'ro que já se tem

Eu não te completo
Você não me basta
Mas é lindo o gesto de se oferecer
O que eu quero nem sempre eu preciso
Mas dê um sorriso quando me entender

Seja você
Seja só você
Seja você
Seja só você

Vai sempre ter alguém
Com mais dinheiro, mais respeito
Mais ou menos tudo o que se pode ter
Vai sempre sobrar, faltar
Alguma coisa, somos imperfeitos
E o que falta cega p'ro que já se tem

Eu não te completo
Você não me basta
Mas é lindo o gesto de se oferecer
O que eu quero nem sempre eu preciso
Mas dê um sorriso quando me entender

Seja você
Seja só você.
Mas dê um sorriso quando me entender

Seja você
Seja só você
Seja você
Seja só você

Vai sempre ter alguém
Com mais dinheiro, mais respeito
Mais ou menos tudo o que se pode ter
Vai sempre sobrar, faltar
Alguma coisa, somos imperfeitos
E o que falta cega p'ro que já se tem

Eu não te completo
Você não me basta
Mas é lindo o gesto de se oferecer
O que eu quero nem sempre eu preciso
Mas dê um sorriso quando me entender

Seja você
Seja só você.

Índice

Dos Restos

Os Paralamas do Sucesso
Composição: (Liminha - Herbert Vianna)
Do lixo deixado
Dos restos que o mundo
Não tem como esconder
Nos cantos escuros
Nas fendas dos muros
Veja se você vê
Surgem novas criaturas
Novos pontos de interrogação
Nossa casa não é mais tão segura
E as crianças querem alguma explicação
Mas é preciso coragem pra não desistir
E não achar que tudo que vivemos foi em vão
Pra essa nova moral oportunista
Eu me viro e digo não

Índice

Dois Elefantes

Os Paralamas do Sucesso
Composição: (Herbert Vianna)
Não sei se hoje é ontem ou anteontem
E do seu telefonema eu não vi nem
a cor
Existe uma coisa que me dói perder, existe
Uma coisa que custei a ganhar
Meu rosto e teu rosto, rindo
Dois elefantes no fundo do mar
Me falaram de um trem, eu fui pra estação
E do teu sorriso eu não vi nem a cor
Existe uma coisa que eu queria
esquecer, existe
Uma coisa que me dói lembrar
Meu rosto e teu rosto roxos
Dois elefantes sem respirar
E o tempo, e o tempo
É um trem que custa a passar
Alguém te viu rindo, eu tava longa
Um elefante pra lá, e outro pra cá.

Índice

Assaltaram A Gramática

Os Paralamas do Sucesso
Assaltaram a gramática
Assassinaram a lógica
Meteram poesia, na bagunça do dia-a-dia
Sequestraram a fonética
Violentaram a métrica

Meteram poesia onde devia e não devia
Lá vem o poeta com sua coroa de louro
Agrião, pimentão, boldo
O poeta é a pimenta do planeta
(Malagueta!)

Índice

A Outra Rota

Os Paralamas do Sucesso

Eu vou fechar as contas e me mandar
Me ajoelhar, pedir perdão
Depois te perdoar
Você não merece o que eu te fiz
Só pra te machucar
Como se o forte fosse eu

Eu tou em outra rota pra um outro lugar
Eu quero as coisas certas
Eu quero te falar

Você não merece o que eu te fiz
Tentando te mudar
Como se o certo fosse eu

Agora somos só nós dois olhando pros lados
Depois de tanta estupidez
Agora somos só nós dois olhando pros lados
Já nem te vejo mais

E acreditar, e acreditar
Mesmo sem ver as provas
De cada corte corre sangue
E a vida se renova
Você sabe o que eu já fiz
E do que eu fui capaz
Mas fica tudo entre nós

Índice

Na Nossa Casa

Os Paralamas do Sucesso
Quando anoiteceu
Nenhuma luz na nossa casa se acendeu
Aonde você estava?
Aonde estava eu?

Se tudo parecia nada, ainda assim
O nada era mais do que o que você deixou
No fim

Quando aconteceu
Quando algo em que a gente acreditava
Se perdeu
Por onde você andava?
Por que não me socorreu?

Não é o fim do mundo
É só o fim de tudo que fomos nós
Sem flutuar e sem tocar o fundo sempre sós.

Índice

Capitão De Indústria

Os Paralamas do Sucesso
Composição: Marcos Valle / Paulo Sérgio Valle
Eu às vezes fico a pensar
Em outra vida ou lugar
Estou cansado demais
Eu não tenho tempo de ter
O tempo livre de ser
De nada ter que fazer
É quando eu me encontro perdido
Nas coisas que eu criei
E eu não sei

Eu não vejo além da fumaça
O amor e as coisas livres, coloridas
Nada poluídas
Ah, Eu acordo prá trabalhar
Eu durmo prá trabalhar
Eu corro prá trabalhar

Eu não tenho tempo de ter
O tempo livre de ser
De nada ter que fazer
Eu não vejo além da fumaça
Que passa e polui o lar
Eu nada sei
Eu nao vejo além disso tudo
O amor e as coisas livres, coloridas
Nada poluídas

Eu acordo prá trabalhar
Eu durmo prá trabalhar
Eu corro prá trabalhar
Eu não tenho tempo de ter
O tempo livre de ser
De nada ter que fazer
É quando eu me encontro perdido
Nas coisas que eu criei
E eu não sei
Eu não vejo além da fumaça
O amor e as coisas livres, coloridas
Nada poluídas
Ah, Eu acordo prá trabalhar
Eu durmo prá trabalhar
Eu corro prá trabalhar

Índice

O Caroço da Cabeça

Os Paralamas do Sucesso
Composição: (Marcelo Fromer - Herbert Vianna - Nando Reis)
P'rá ver
Os olhos vão de bicicleta até enxergar
P'rá ouvir
As orelhas dão os talheres de escutar
P'rá dizer
Os lábios são duas almofadas de falar
P'rá sentir
As narinas não viram chaminés sem respirar
P'rá ir
As pernas estão no automóvel sem andar

E os ossos serão nossas sementes
Sob o chão
E dos ossos as novas sementes
Que virão

Índice

Busca Vida

Os Paralamas do Sucesso
Vou sair pra ver o céu
Vou me perder entre as estrelas
Ver daonde nasce o sol
Como se guiam os cometas pelo espaço
E os meus passos, nunca mais serão iguais
Se for mais veloz que a luz, então escapo da tristeza
Deixo toda a dor pra trás, perdida num planeta abandonado no espaço.
E volto sem olhar pra trás
No escuro do céu
Mais longe que o sol
Perdido num planeta abandonado
No espaço...
Ele ganhou dinheiro
Ele assinou contratos
E comprou um terno
Trocou o carro
E desaprendeu
A caminhar no céu
E foi o princípio do fim
Se for mais veloz que a luz
Então escapo da tristeza
Deixo toda a dor pra trás
Perdida num planeta abandonado
No espaço e volto sem olhar pra trás...

Índice

Sempre Te Quis

Os Paralamas do Sucesso
Composição: Herbert Vianna
Todo o meu tempo
Todo o meu zelo
Todo o meu prédio já sabe que eu tenho em amor

Todo receio
Todo remédio
Tudo que sempre causava
Dor e medo
Se foi

Foi por te ver andando reto
Entre tudo que há de incerto em mim

E fui andando, voltei ao zero
Um recomeço é uma forma de se encontrar
Por ser tranqüilo, por ser sincero
Não me preocupa
O que não for é o que vai passar

Foi por te ver andando reto
Entre tudo que há de incerto em mim

Que eu sempre te quis
Sempre te quis assim
Só p'rá mim

Sempre te quis assim
Só p'rá mim

Índice

Seguindo Estrelas

Os Paralamas do Sucesso
Composição: Herbert Vianna
Sigo palavras e busco estrelas
O que é que o mundo fez
Pra você rir assim
Pra não tocá-la, melhor nem vê-la
Como é que você pôde se perder de mim
Faz tanto frio, faz tanto tempo
Que no meu mundo algo se perdeu
Te mando beijos
Em outdoors pela avenida
E você sempre tão distraída
Passa e não vê, e não vê

Fico acordado noites inteiras
Os dias parecem não ter mais fim
E a esfinge da espera
Olhos de pedra sem pena de mim
Faz tanto frio, faz tanto tempo
Que no meu mundo algo se perdeu
Te mando beijos
Em outdoors pela avenida
Você sempre tão distraída
Passa e não vê, e não vê

Já não consigo não pensar em você
Já não consigo não pensar em você

Índice

Saber Amar

Os Paralamas do Sucesso
Composição: Hebert Viana
A crueldade de que se é capaz
Deixar pra trás os corações partidos
Contra as armas do ciúme tão mortais
A submissão às vezes é um abrigo

Saber amar
Saber deixar alguém te amar

Há quem não veja a onda onde ela está
E nada contra o rio
Todas as formas de se controlar alguém
Só trazem um amor vazio

Saber amar
Saber deixar alguém te amar

O amor te escapa entre os dedos
E o tempo escorre pelas mãos
O sol já vai se pôr no mar

Saber amar
Saber deixar alguém te amar

Há quem não veja a onda onde ela está
E nada contra o rio
Todas as formas de se controlar alguém
Só trazem um amor vazio

Saber amar
É saber deixar alguém te amar

Índice

Quase Um Segundo

Os Paralamas do Sucesso
Composição: Herbert Vianna
Eu queria ver no escuro do mundo
Onde está tudo o que você quer
Pra me transformar no que te agrada
No que me faça ver
Quais são as cores e as coisas
Pra te prender?
Eu tive um sonho ruim e acordei chorando
Por isso eu te liguei
Será que você ainda pensa em mim?
Será que você ainda pensa?
Às vezes te odeio por quase um segundo
Depois te amo mais
Teus pêlos, teu gosto, teu rosto, tudo
Que não me deixa em paz
Quais são as cores e as coisas
Pra te prender?
Eu tive um sonho ruim e acordei chorando
Por isso eu te liguei
Será que você ainda pensa em mim?
Será que você ainda pensa?
Às vezes te odeio por quase um segundo
Depois te amo mais
Teus pêlos, teu gosto, teu rosto, tudo
Que não me deixa em paz
Quais são as cores e as coisas
Pra te prender?
Eu tive um sonho ruim e acordei chorando
Por isso eu te liguei
Será que você ainda pensa em mim?
Será que você ainda pensa?

Índice

Partir Andar

Os Paralamas do Sucesso
Composição: Hebert Vianna
Partir, andar, eis que chega
É essa velha hora tão sonhada
Nas noites de velas acesas
No clarear da madrugada
Só uma estrela anunciando o fim
Sobre o mar, sobre a calçada
E nada mais te prende aqui
Dinheiro, grades ou palavras

Partir, andar, eis que chega
Não há como deter a alvorada
Pra dizer, um bilhete sobre a mesa
Pra se mandar, o pé na estrada
Tantas mentiras e no fim
Faltava só uma palavra
Faltava quase sempre um sim
E agora já não falta nada

Eu não quis
Te fazer infeliz
Não quis
Por tanto não querer
Talvez fiz

Índice

Romance Ideal

Os Paralamas do Sucesso
Ela é só uma menina
E eu pagando pelos erros que eu nem sei se cometi
Ela é só uma menina
E eu deixando que ela faça o que bem quiser de mim
Se eu queria enlouquecer essa é a minha chance
É tudo que eu quis
Se eu queria enlouquecer
Esse é o romance ideal
Não pedi que ela ficasse
Ela sabe que na volta
Ainda vou estar aqui
Ela é só uma menina
E eu pagando pelos erros
Que eu nem sei se cometi
Se eu queria enlouquecer essa é a minha chance
É tudo que eu quis
Se eu queria enlouquecer
Esse é o romance ideal

Índice

O Fundo Do Coração

Os Paralamas do Sucesso
Composição: (Herbert Vianna)
Ah, se eu soubesse aonde se esconde
Quem nunca aparece
Tá sempre tão longe
Hoje eu li no céu o teu nome
Eu quero tudo dessa madrugada
Deixa a luz acesa
Pra tua chegada
Há um carrosel de todas as cores
Nada me espanta
Sou quase feliz
Eu sempre pergunto
Você nunca diz
Se é assim o amor
Sempre por um triz

Índice

Nebulosa Do Amor

Os Paralamas do Sucesso
Composição: Herbert Vianna
Lá fora é tudo cinza e azul
É a hora mais propícia
Vê-se a olho nu

Cruzando o céu
Pequenas astronaves do amor
Vindas de um planeta
Da nebulosa do amor

Ontem, hoje, outro dia já passou
Alguém que eu não conhecia
Hoje me mostrou

Cruzando o céu
Pequenas astronaves do amor
Vindas de um planeta
Da nebulosa do amor.

Índice

 


 

Publicidade