A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

Humberto Pinho da Silva
Publicações
Perfil
Comente este texto
 
Crônica
 
NA LITERATURA O REALISMO NÃO É SÓ EROTISMO
Por: Humberto Pinho da Silva

Escreveu Camilo que, para haver literatura não é necessário descrever tetas de mulher, referindo-se a certa escrita de realistas do seu tempo.
Sem cairmos em puritanismo exacerbado, muitas vezes hipócrita, temos que dar razão ao escritor, mestre da literatura portuguesa, já que a esta, a meu ver, cabe o dever de espertar sentimentos sadios e belos.
Em regra, o escritor, ao pintar cenas eróticas ou episódios escabrosos, pretende acordar sentimentos baixos, e a inata curiosidade do público, no propósito de obter editor, e aumentar vendas; olvidando que colabora na deformação do carácter, e degradações de mentes, tornando-se responsável pela perversão e decadência da sociedade.
Em carta datada a 28 de Abril de 1972, endereçada ao autor da secção “ Apontamentos”, que se publicava no matutino “ O Comércio do Porto”, declara Maria Henrique Osswald:
“ A obra literária tem de formar a inteligência e o sentimento, alimentar o cérebro e o coração; apurar o gosto estético e formar o carácter. (…) Há meses um conhecido editor recusou um romance meu; de envolta com muitos elogios, dizia que tudo era demasiado branco para o nosso tempo. Publicaria imediatamente, se consentisse acrescentar algumas páginas ao gosto do público de hoje.”
Eça, considerado, e com razão, estilista genial, também apimentou a prosa, esquecendo que imagens torpes, em estilo sublime, são mais perniciosas que escritos de aprendiz de escritor, falho de imaginação.
Todavia, Eça, evitava que a filha Maria, tomasse conhecimento do enredo das suas obras; só muitos anos, após sua morte, é já de avançada idade, é que cevou a natural curiosidade de as ler.
Cai bem aqui, a cena ocorrida entre a neta de Eça de Queiroz, a Senhora Dona Maria das Dores Eça de Queiroz de Mello e a sogra, a Senhora Marquesa do Ficalho.
Estando a neta do escritor enfadada, resolveu ir à biblioteca buscar livro para se distrair. Deparou com obras do avô, que não conhecia, e acomodando-se no sofá, iniciou a leitura. Surge inesperadamente a sogra, e verificando o que a nora estava a ler, arranca-lhe o livro das mãos, e de semblante carregado repreende-a acerbamento:
- Isso não é leitura própria para menina honesta!
Já que estou a falar de Eça, lembrei-me da missiva que Teodoro recebeu do General Camilloff, onde este solicita que lhe envie, na mala diplomata “ Mademoiselle de Maupin”, de Gautier - “O Mandarim”. Ora dias antes de falecer, Gautier, pedira a uma filha, que não lesse a obra, por ser indigna.
Tanto Gautier, como Eça, sabiam que escreviam para filhos de outros, e conheciam perfeitamente, os malefícios das obras literárias.
Livros escritos no propósito de lucro fácil, são como guiões de algumas novelas de TV, salpicadas de imagens sórdidas e maus exemplos, chocando e plasmando mentes, ao desejo de forças obscuras, e pensando exclusivamente, nas audiências.
Em muitos casos, os autores de obras nefastas arrependem-se, quando a morte começa a rondar. Surgem, então, desejos de retirar livros e filmes do mercado, mas são desejos extemporâneos. Foi o que aconteceu a Guerra Junqueiro, que à hora da Morte suplicou a presença do Padre Cruz, sacerdote canonizado pelo povo.
Nas “ Prosas Dispersas”, em nota a artigo, o poeta declara: (…) Eu tenho sido, devo declará-lo, muito injusto com a Igreja. “A Velhice do Padre Eterno” é um livro da mocidade. Não o escreveria já aos quarenta anos(…). Contem belas coisas, é um livro mau, e muitas vezes abominável.”
Como Junqueiro, muitos artistas arrependem-se das obras que criaram e dos escândalos que provocaram, para alcançarem lucros e fama imediata, à custa do desregramento moral e psíquico de muitos, e perversão de almas, esquecendo que se pode criar obras de elevado valor, sem explorar instintos baixos.
Deve-se dar a lume obras que não nos envergonhem na velhice, e nossos filhos e filhas possam lê-las. Se assim se fizer não haverá arrependimento, nem receios da equidade divina.

 Comente este texto

 

Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: ZJVN (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.