A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 
Artigo
 
Não Desperdicemos as Oportunidades
Por: Valdir Pedrosa

NÃO DESPERDICEMOS AS OPORTUNIDADES

“Agora - disse com autoridade sem afetação - conversaremos sobre as necessidades da representação de nossa colônia nos trabalhos terrestres. Aqui se encontram companheiros fracassados nas intenções mais nobres e irmãos outros desejosos de colaborar nas tarefas que condizem com as nossas responsabilidades atuais. Referimo-nos às laboriosas atividades da Comunicação, no plano carnal. Vemos nesta reunião grande parte dos cooperadores de “Nosso Lar”, que faliram nas missões da mediunidade e da doutrinação, bem como outros muitos colegas que se preparam para provas dessa natureza, nos círculos da Crosta. Nossa repartição vem promovendo grande movimento de auxílio a irmãos encarnados e desencarnados, que se revelam incapazes de qualquer ação, além da superfície terrestre. Nossa tarefa é enorme. Precisamos disseminar ensinamentos novos, relativamente à preparação dos que habitam nossa colônia, considerando os esforços e realizações do presente e do porvir.” [1]

André Luiz nos apresenta de forma clara a realidade da vida após a morte do corpo físico. Ao descortinar os cenários do além-túmulo que aguardam o homem terreno, o amigo espiritual mostra que a vida nas esferas extrafísicas nem de longe se assemelha às imagens dos anjos sobre as nuvens, tocando harpas em eterna atitude beatífica. Ao contrário, a vida no plano espiritual é ativa e dinâmica, repleta de movimento e muito trabalho. Ociosidade conduz à estagnação, o que não combina com o Universo, onde tudo se aperfeiçoa e evolui.

Na passagem acima, Telésforo, instrutor do Ministério da Comunicação de Nosso Lar, inicia seus comentários no Centro dos Mensageiros sobre a importância da preparação de Espíritos para exercerem tarefas mediúnicas e doutrinárias. O objetivo final é a difusão das verdades espirituais, em atendimento à lei do progresso, municiando o homem de recursos capazes de lhe alavancarem a evolução. Como se percebe, as atividades nas colônias espirituais são detalhadamente programadas e executadas com esmero e dedicação por Espíritos comprometidos com o ideal de Jesus, sempre aptos a auxiliarem seus irmãos encarnados e desencarnados.

Observa-se, no comentário do mentor, que a preparação atinge dois grupos distintos de Espíritos: o primeiro é composto por entidades que já tiveram oportunidades de trabalhar com a mediunidade e a exposição dos princípios cristãos, mas que fracassaram em suas missões. O segundo grupo diz respeito aos Espíritos que estão se preparando para assumirem estas tarefas como provas que, se forem vencidas, lhes permitirão um grande avanço em sua jornada evolutiva.

Como se vê, o Pai sempre atua em benefício de seus filhos. Os que faliram recebem treinamento adequado para tentarem novamente, sendo que, desta vez, estarão mais bem preparados. Ao invés de serem condenados, Deus lhes abre novas portas para o estudo e o trabalho, onde a criatura se vê diante de uma chance inestimável de se aperfeiçoar contribuindo no aperfeiçoamento de seus irmãos.

Destaca-se ainda a informação de que a mediunidade, bem como outras atividades de cunho doutrinário, pode ser concedida ao homem como prova. São nestas oportunidades, vivenciadas na crosta terrestre, que o indivíduo é testado nas mais variadas circunstâncias, com vistas à fixação dos valores cristãos em seu patrimônio espiritual. Ao desempenhar suas atividades na seara do bem, além de consolidar suas virtudes, o homem se capacita para galgar novos patamares evolutivos.

Portanto, é imprescindível que tenhamos consciência da responsabilidade que assumimos junto aos Espíritos Superiores, pois todo um trabalho de preparação foi feito antes de reencarnarmos para que tivéssemos condições de desempenhar, com qualidade e segurança, as tarefas na seara espírita. Esforcemo-nos, dediquemo-nos e cuidemos de não decepcionar aqueles que confiaram em nós e que nos concederam mais este ensejo de crescimento moral e espiritual.

[1] Os Mensageiros – Pelo Espírito André Luiz, psicografado por Francisco Cândido Xavier – capítulo 5 (Ouvindo Instruções).

Valdir Pedrosa – Agosto/2011

 Comente este texto


Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: KVKZ (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP sera enviado junto com a mensagem.