Seleção de Livros! Clique e confira.

A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 

E-mail:
Senha
       
        Cadastre-se
Esqueci minha senha
Homepage
Pensadores
Lazer e informação
Citações
Textos Fantásticos
Poemando
Provérbios
Estatuto do poeta
Peão diz cada uma!
Bíblicos
Contos e poemas de Natal
Básico de violão
Livrarias
Informática
Artes
Jornais
Revistas
Música
Televisão
Infantil

MUSIPOEMA

MUSIPOEMA
A HISTÓRIA DO ROCK IN ROLL
SER MÃE
AMIGO É...
AMAR É...
 

 

Busca

 
 
 
Cordel
 
Sepé Tiaraju das Sete Missões
Por: Jorge Linhaça

Sepé Tiaraju das Sete Missões
Jorge Linhaça

Lá em São Luiz Gonzaga
Uma das Sete Missões
A memória não se apaga
Qual eternos panteões
Nasceu Sepé Tiaraju
Da nobre nação Guaraní
Espalhada nos rincões
Do hoje Rio Grande do Sul

Órfão ficou muito cedo
Aos oito anos de idade
A peste de escarlatina
Foi a causa da orfandade
Confiado a Padre Miguel
E por ele adotado
Enxameou-se com este
fundou novo povoado

Foi em São Miguel Arcanjo
Essa nova redução
Que Sepé tornou-se anjo
Corregedor da missão
Foi eleito por seus pares
em pura democracia
Dou outro lado dos mares
tempestade se anuncia

Juntos Portugal e Espanha
Senhores donos do mundo
Empenhavam-se em campanha
Pra dividir latifundios
A ambição se fundava
Na grande organização
Que as missões logravam

Grande rebanho de gado
Criado pelos missioneiros
E o território ocupado
No solo hoje brasileiro
Enquanto as missões prosperavam
Com os padres e guaranis
As terras escravocratas
matavam índios aos mis

Acordos foram tentados
Sob a tutela de Sepé
Falso armisticio armado
imbuído de má fé
Os indios apaziguados
e espanhóis e portugueses
Juntando os seus exércitos
pra abatelos como reses

Nome de triste lembrança
Gomes Freire de Andrade
Fopi quem preparou a matança
com a sua falsidade
Cercados de todos os lados
Charruas e Guaranís
Foram então massacrados
pela astúcia dos vís

Tombou o índio Sepé
N'antiga sanga da bica
Na boca de São Gabriel
Cidade hoje tão rica
Da boca de Tiaraju
Conta quem sabe a história
Uma frase se formou
Guardada em nossa memória

"Esta terra já tem dono"
Teria dito Sepé
Lema que ficou lembrado
Como um ato de fé
Foi-se o homem veio o mito
Virou Santo o Taiaraju
Cujo nome tão bonito
Traduz-se "Facho de Luz"

No panteão da História
Como herói brasileiro
Gravou-se a sua memória
Em sete de fevereiro
O dia de seu martírio
Carece de ser lembrado
Dia Nacional da Luta
Dos povos indígenas
Que o aprove o Senado

Histórias pouco contadas
De muitos desconhecidas
Merecem de ser lembradas
Como exemplos de vida
Que venham pois os poetas
Preencher esta lacunas
Nos versos de rimas certas
e até sem rimas nenhumas

Salvador, 14 de dezembro de 2011
contatos com o autor
[email protected]

 Comente este texto

 

Comentário ()

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: HMCP (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.