Seleção de Livros! Clique e confira.

A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 
Artigo
 
A Velhice - por Carl Jung
Por: João Márcio

A vida natural é o solo em que se nutre a alma. Quem não consegue acompanhar essa vida,
permanece enrijecido e parado em pleno ar. É por isto que muitas pessoas se petrificam na idade madura,
olham para trás e se agarram ao passado, com um medo secreto da morte no coração. Subtraem-se ao
processo vital, pelo menos psicologicamente, e por isto ficam paradas como colunas nostálgicas, com
recordações muito vividas do seu tempo de juventude, mas sem nenhuma relação vital com o presente.
Do meio da vida em diante, só aquele que se dispõe a morrer conserva a vitalidade, porque na hora
secreta do meio-dia da vida inverte-se a parábola e nasce a morte. A segunda metade da vida não
significa subida, expansão, crescimento, exuberância, mas morte, porque o seu alvo é o seu término. A
recusa em aceitar a plenitude da vida equivale a não aceitar o seu fim. Tanto uma coisa como a outra
significam não querer viver. E não querer viver é sinônimo de não querer morrer. A ascensão e o declínio
formam uma só curva.

Sempre que possível, nossa consciência recusa-se a aceitar esta verdade inegável.
Ordinariamente nos apegamos ao nosso passado e ficamos presos à ilusão de nossa juventude. A velhice é
sumamente impopular. Parece que ninguém considera que a incapacidade de envelhecer é tão absurda
quanto a incapacidade de abandonar os sapatos de criança que traz nos pés. O homem de trinta anos ainda
com espírito infantil é certamente digno de lástima, mas um setuagenário jovem — não é delicioso? E, no
entanto, ambos são pervertidos, desprovidos de estilo, verdadeiras monstruosidades psicológicas. Um
jovem que não luta nem triunfa perdeu o melhor de sua juventude, e um velho que não sabe escutar os
segredos dos riachos que descem dos cumes das montanhas para os vales não tem sentido, é uma múmia
espiritual e não passa de uma relíquia petrificada do passado. Está situado à margem da vida, repetindo-se
mecanicamente até à última banalidade. Pobre cultura aquela que necessita de tais fantasmas!


Nossa longevidade comprovada pelas estatísticas atuais é um produto da civilização. Entre
os primitivos só excepcionalmente se chega a uma idade avançada. Assim, quando visitei as tribos
primitivas da África oriental, vi pouquíssimos homens de cabelos brancos que poderiam ter
estimativamente mais de sessenta anos. Mas eram realmente velhos e parecia que tinham sido sempre
velhos, tão plenamente se haviam identificado com sua idade avançada. Eram exatamente o que eram sob
todos os aspectos, ao passo que nós somos sempre apenas mais ou menos aquilo que realmente somos. É
como se nossa consciência tivesse deslizado um pouco de suas bases naturais e não soubesse mais como
se orientar pelo tempo natural. Dir-se-ia que sofremos de uma hybris da consciência que nos induz a
acreditar que o tempo de nossa vida é mera ilusão que pode ser alterada a nosso bel-prazer. (Pergunta-se
de onde a consciência tira a sua capacidade de ser tão contrária à natureza e o que pode significar tal
arbitrariedade).





CARL GUSTAV JUNG
Trecho do livro A Natureza da Psique







Bel. João Márcio F. Cruz
Autor do livro Os Quatro Pilares da Educação

 Comente este texto

 

Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: IVHF (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.