A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

João Márcio F. Cruz
Publicações
Perfil
Comente este texto
 
Crônica
 
O POVO - A meretriz jurídica
Por: João Márcio F. Cruz

A meretriz jurídica

Tu és uma prostituta que se vende a pão e circo. Oh povo, de nobreza nada possuis. Idolatras os discursos vis pelo pedigree do partido. Envergonho-me de fazer parte dessa sociedade. Covardes, medíocres e alienados. Conformam-se com esmolas quando o salário é teu por direito. Preferes a companhia dos bajuladores á dos profetas que removem o véu da ignorância anunciando verdades eternas. Elege como teu senhor, escravos dos vícios morais e espirituais, enquanto escraviza trabalhadores honestos e pais de família decentes. Teu preço é ouro, incenso e mirra. Seu choro é lamento podre de quem perdeu o direito de tiranizar as consciências. Tua força surge do amontoado, porque nunca foste unidos em nome de um ideal.

A bebida, o cigarro, a mídia, a droga, o sexo e a ilusão são teus canais de diversão mórbido. És tão entorpecido que apenas emoções fortes tocam seu coração. Levanta-te filho da ignorância e adquire caráter de homem! Como podes aceitar, durante séculos, a servidão voluntária quando até os asnos coiceiam quando ofendidos? Tu és cego por condicionamento social. Tu és surdo por arrogância! Tu és mudo por conveniência. Como é triste o teu passo. Seguindo cabisbaixo, em genuflexões, louvando a coroa de espinhos que lhe colocaram. Porque não bradas ao vento, ao norte, para as estrelas?

Quem sabe alguém escute teu lamento e deixe a morte levá-lo dessa vida descontente. Teus amigos são sombras de gente. Pedaços mal colhidos de lições pendentes do pretérito. O planeta continua sua rotação e você aprisionado em correntes que lhe prometem a liberdade. Por que não assume seu fracasso, pede auxílio ou ensaio resmungos sutis de sua situação? Será que perdestes a faculdade de indignar-se? Será que o mundo roubou sua voz? Estuprou sua alma, transformada em mercadoria e vendida em jornais, filmes e novelas, como uma bijuteria reciclável?

O esgoto seria melhor seu lugar. A companhia dos ratos não te traria incômodo algum. Desde o dia que nasce, até hoje, vestiu a carcaça dos urubus e assumiu a condição de indigente, criatura subumana, cheia de deveres mas sem nenhum direito. A ti, chamam de povo!!! Juridicamente constituída pela lei para ser o bode expiatório dos problemas mundiais. Porém, além desse ônus injusto, ainda introjetas a visão alheia e assume o hálito da derrota, o passo vacilante, a alma de um vagabundo, sem sonhos, sem futuro, sem coração. Você não pediu para nascer mas podes escolher, a qualquer momento, como viver, como morrer. Se o amor não arrancar essa crosta pútrida dos séculos sedimentada sobre tua delgada alma, quem sabe a dor, o sofrimento, a traição seja teu mestre, indispensável para devolvê-lo a condição de ser humano, sujeito de sua vida, senhor de seu destino.











Bel. João Márcio F. Cruz
Autor do livro Os Quatro Pilares da Educação

 Comente este texto
 

Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: TFLF (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP sera enviado junto com a mensagem.