A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

José-Augusto de Carvalho
Publicações
Perfil
Comente este texto
 
Prosa
 
REGISTO * Tormento
Por: José-Augusto de Carvalho


Como se fosse uma obsessão, assalta-me a dúvida: terá valido a pena tanta entrega? O Passado volta, agora, com insistência. Regresso à década de quarenta; regresso à década de cinquenta; regresso à década de sessenta. Foram tempos de desespero e de esperança no Futuro. Aquele Presente resistia e nele germinava o Futuro. Para todos, era inquestionável o fim do desespero que se vivia. E resistia-se; e morria-se para que os demais conhecessem o Futuro. Conheci muitos que me diziam: talvez eu não veja, mas tu verás! Um deles, um tipógrafo de assinalável cultura obtida nos muitos textos que compunha de escritores e poetas e ensaístas. Tuberculizara na prisão e a sua vida estava por um fio que teimou em resistir mais do que os médicos previam. Deixou-nos nos meados da década de sessenta, mas deixou também uma saudade imensa em quantos o conheceram, o estimaram, o admiraram.
Em Portugal, o Estado Novo implantara-se em 1933, tal como o Nacional-socialismo, na Alemanha. Em Julho de 1936, a tragédia começava na Espanha Republicana e o seu Governo Popular, legitimado em eleições livres, foi questionado por uma minoria rebelde, mas apoiada pela Itália fascista e pela Alemanha nazi; as Democracias europeias ficaram olhando como se nada fosse. Em Março de 1939, a Espanha Republicana sucumbia. O celebrado grito de Dolores Ibarruri, La Pasionaria, «No pasarán», era sufocado pelas forças alemãs e italianas. Vencera a fórmula desgraçadamente célebre: «Abaixo a inteligência! Viva a morte!» O grande poeta Federico Garcia Lorca era executado nos arredores da sua amada Granada, em Agosto de 1936. A última geração romântica, como ficou conhecida, acorreu a Espanha, em defesa da legitimidade democrática. Muitos e muitos das celebradas Brigadas Internacionais deram as suas vidas, derramaram o seu sangue pelo martirizado povo de Espanha. Acreditaram no Futuro, que não veio; acreditaram nas democracias europeias e americanas, mas em vão. O Futuro não veio e as Democracias tinham mais que fazer do que preocupar-se com o destino do povo de Espanha.
Quem ler «Por quem os sinos dobram», de Hemingway; «Homenagem à Catalunha», de Orwell; «Os grandes cemitérios sob a lua», de Bernanos; «A Esperança», de Malraux... e muitos outros textos de autores que viram claramente vista a tragédia, in loco, poderá perceber muito do que aconteceu.
Nasci durante a Guerra dita Civil de Espanha; cresci ouvindo falar nesses horrores e nos horrores piores ainda, estes a partir de 1 de Setembro de 1939, quando Hitler iniciava a carnificina que foi a II Grande Guerra (1939-1945).
Apesar de todas as tragédias, os povos tinham esperança e acreditavam no Futuro! Extraordinário!
Por cá, foi o Campo de Concentração do Tarrafal, foi a perseguição, foi a fome, foi a emigração, foi a Guerra Colonial... outro calvário! Um dia, os cravos floriram e todos sonhámos! Outro dia, os cravos murcharam em nome da democracia e todos perdemos. E hoje? Por onde anda a Esperança? E que Futuro germina nos nossos peitos? Olhemos em derredor e contemos pelos dedos os povos que se consideram felizes e os povos que têm esperança num Futuro de felicidade!
Este meu texto nada mais pretende do que partilhar a desesperança e apontar estes tempos em negação. Não me demito nem me rendo. Nunca o fiz e não será agora, quase aos oitenta anos, que irei corar de vergonha. E deixo este desejo que me foi transmitido: Muitos verão o fim da tragédia e o alvorecer da dignidade! Eu não terei essa felicidade, o meu tempo está a esgotar-se.
Cordiais saudações.
José-Augusto de Carvalho
Alentejo, 23 de Agosto de 2015.

 Comente este texto

 

Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: TZVD (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.