A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

João Márcio F. Cruz
Publicações
Perfil
Comente este texto
 
Ensaio
 
CUIDADO AO CRITICAR O JEITO DE FALAR DOS OUTROS
Por: João Márcio F. Cruz

MUITO CUIDADO AO CRITICAR O JEITO DE FALAR DOS OUTROS

Quem se compraz em censurar o jeito de falar dos outros,
CUIDADO !!!
Você pode estar incorrendo em um erro MUITO MAIS grave !!!
.
Normalmente, percebe-se em pseudo intelectuais ou incultos disfarçados com redundância e pomposidade linguística, criticas severas e indelicadas contra quem usa a palavra “coisa” em sua forma de expressar-se. Tais pessoas, verdadeiros pavões no cio, que exibem suas penas coloridas pra compensar suas deficiências pessoais, querendo parecerem sabichões e espertalhões, provam ser, além de profundamente preconceituosos, mal educados e totalmente desinformados em relação a língua portuguesa.
.
Na linguagem escrita e formal, urge obedecer certas regras para atender os requisitos necessários a uma comunicação dentro dos padrões preestabelecidos, porém, é nesse aspecto que esses “descuidados” erram feio já que, na LINGUAGEM ORAL E COLOQUIAL o que importa é ser compreendido.

Antes de hastear sua voz numa solene arrogância e estupidez para criticar o “jeito de falar” de outrem, verifique sua etnia, região, cultura, nivel de escolaridade e grau de intimidade dos envolvidos nessa interação, já que seria bem ridículo e inoportuno “aconselhar, criticar, censurar ou fazer observações” não solicitadas, principalmente quando acontece no meio da rua, em praças ou mercado público onde reina as expressões própria de um povo ou localidade e é totalmente “natural” e apropriado, por exemplo usar termos como “coisa” já que a interação mútua permite a comunicação e a compreensão.

O prazer mórbido de corrigir as expressões linguísticas do seu interlocutor provam que você ainda precisa estudar muito para, além de dominar as múltiplas expressões de seu idioma nativo, desenvolver traços comportamentais civilizados e básicos como: respeito ao próximo, educação e fineza de caráter.

No livro O que é uma coisa, o filósofo alemão Heidegger explica, dentro da ótica existencialista, qual o fundamento de tal expressão e sua relevância semântica dentro da reflexão humana.


Conclusão:
Aqueles que criticam o jeito de falar dos outros, provam que além de ignorantes e preconceituosos, são incultos porque desconhecem as variações linguísticas e “regras” coloquiais que permitem uma boa comunicação oral e coloquial sem as metódicas exigências da formalidade. Acreditam que defendem a própria lingua portuguesa quando antes, maltratam-na e desonram-na quando fazem “mau uso” dela para erigir muros de discriminação e pedantismo/idiotice social.

Bel. João Márcio F. Cruz

 Comente este texto

 

Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: aKUf (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.