A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

Humberto Pinho da Silva
Publicações
Perfil
Comente este texto
 
Crônica
 
O ESCRITOR NÃO MERECIA ISSO
Por: Humberto Pinho da Silva

Ferreira de Castro era um menino de Ossela, Oliveira de Azeméis, que ao completar o ensino primário, abalou, em 1911, com doze anos, para o Brasil, em busca de fortuna, a exemplo de muitos portugueses do seu tempo.
Após várias peripécias foi parar a Humaitá, à Vila Seringal Paraíso, em plena Amazona, onde viveu a adolescência, com gente rude, em tosca casa de madeira.
Apesar das vicissitudes e dificuldades financeiras e de habitar no sertão, longe de grandes centros, de bibliotecas e de quem o pudesse compreender, veria a revelar-se um génio da literatura, granjeando o respeito de mestres, não só portugueses e brasileiros, mas mundiais.
Suas obras encontram-se traduzidas e publicadas em vinte e dois países; e imortalizou-se com “ A Selva”, e com ela o rio Madeira e Humaitá.
Veio-me, agora, parar às mãos, recorte da revista “Portugal”, cuja data desconheço, onde Abrahim Baze, da “ Fundação Rede Amazónica”, relata o desprezo que o Município de Humaitá tem ( ou teve) pelo escritor.
Não sei se foi por ser português. Infelizmente, ainda persiste, mormente nas gerações mais velhas e incultas, incompreensível má vontade com Portugal; talvez fruto da má-fé de professores.
Felizmente os mais jovens, mais evoluídos, começaram a compreender melhor a história do Brasil e do povo europeu.
Como ia dizendo, Humaitá, que ficou conhecida mundialmente, graças a Ferreira de Castro, despreza ou desprezou o escritor.
Houve Prefeito que impediu qualquer manifestação ao escritor(!) Chegou mesmo a fechar a biblioteca que tinha o nome do prosador, transferindo os livros para outro edifício, mudando-lhe o nome e deixando ao abandono a casa histórica que embelezava e enriquecia a cidade.
O Prefeito que assim agiu - desconheço a razão, porque o articulista não revela, - chegou a provocar a perda do acervo literário de oitenta e cinco por cento das obras da Biblioteca Ferreira de Castro.
Espero que tudo seja passado, já que o recorte que possuo, não está datado.
Creio que os responsáveis que se seguiram ao médico, que governou Humaitá, sejam mais cultos e compreendam que sem Ferreira de Castro, a cidade é povoação desconhecida, perdida na imensa selva amazónica.

 Comente este texto


Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: VAAG (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP sera enviado junto com a mensagem.