A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

 
Crônica
 
O TEMPO E O MEDO
Por: ISABEL C. S. VARGAS

Quando era criança tinha muitos medos. Queria que o tempo passasse rápido consciente que o futuro me daria maturidade para perdê-los ou enfrentá-los.
Minha primeira lembrança de ter medo no passado foi por ocasião da perda de meu avô. Para mim ele era bem velhinho, hoje me dou conta que ele deveria ter um pouco mais de idade que tenho agora e não me sinto velhinha. Na época, o funeral era em casa do falecido e isso me aterrorizou.
Alguns anos mais tarde quando meu pai foi trabalhar na capital e minha mãe não quis ir, ficamos os quatro, meu irmão, minha irmã, eu e minha mãe, temporariamente, na casa de minha avó materna. Recordo de rezar pedindo a Deus para não levar minha avó enquanto morássemos em sua casa, a fim de não ter de enfrentar tão dolorosa situação ali onde estava morando. Ela faleceu aos noventa anos, eu já era moça e namorava meu marido.
Por volta dos dez anos recordo que minha mãe me mandou para a escola sozinha. A escola ficava na mesma rua de minha casa, distante umas sete quadras. Morria de medo de ser raptada. Lá fui eu de novo, incomodar Jesus pedindo para crescer rápido, para chegar aos quinze anos, por acreditar que nesta idade os medos já teriam sumido. Não me dava conta que viver é enfrentar os medos e que eles sempre existirão. Apenas, vão sendo substituídos por outros.
Naquela época foi possível ir à escola sozinha. Meus filhos eram levados ao colégio de carro, sempre protegidos, querendo nós, meu marido e eu protegê-los de tudo que fosse possível. Entretanto, com a violência, as drogas, a marginalização cada vez maior das populações periféricas foi aumentando o medo das pessoas deixarem os menores andarem só e o serviços de vans substituíram os pais nas tarefas de levar e buscar os filhos quando eles não podem fazê-lo. Hoje, então, a situação é tão caótica que vivemos cercados por grades, cerca elétrica, alarme, cães e temos medo de sair à rua e sermos assaltados ao ir à padaria da esquina, ou no banco pagar uma conta. Vivemos prisioneiros.
Aprendi que crescemos e os medos existem. Medo de perder os que amamos e, o pior de tudo é que perdemos e somos obrigados a enfrentar o medo, vivenciar a dor até o final e seguimos vivendo cientes que nada isenta ninguém de passar pelos momentos que a nós são encaminhados para passarmos. O tempo nos dá esse entendimento e sabedoria para perceber que a vida é bela, mas que ao nascermos não recebemos garantia de que seremos só felizes, ou só infelizes, ao contrário, teremos de procurar entre as vivências, mesmo as mais doloridas, motivos para ser fortes, enfrentar os medos, e ainda assim ser feliz, valorizando cada momento bom que tivemos, pois são eles que nos abastecem de energia positiva, de ânimo para enfrentar as dificuldades. O tempo nos ensina que nada é eterno, nada vive para sempre, que tudo na vida é cíclico, e que durante nossa trajetória temos que ter fé, fazer o nosso melhor, dar o melhor de nós aos outros procurando ter a consciência que viveremos melhor se conseguirmos nos colocar no lugar do outro e avaliar o que ele pode estar sentindo como forma de procurarmos ser mais justos, menos críticos e com isso viver em paz e harmonia. O tempo nos ensina a aparar as arestas das situações mais difíceis e perceber que sentir o tempo passar é ganho, mesmo que as coisas não se desenrolem como desejamos, pois só sente o tempo passar quem está vivo. O tempo está perdido para quem já morreu e não tem mais a possibilidade de consertar ou resgatar nada. Aí, nem mais os medos existem.

Isabel C S Vargas

 Comente este texto



Comentário (0)

Deixe um comentario

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: McPQ (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.