A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

Humberto Pinho da Silva
Publicações
Perfil
Comente este texto
 
Crônica
 
NEM DADOS OS QUISERAM...
Por: Humberto Pinho da Silva

No início deste século, por designação do diretor de “Notícias de Gaia”, entrevistei figuras ilustres da cidade onde vivo.
Certa ocasião visitei poetisa que vivia à beira-mar, numa casa com sobrado. Recebeu-me com largo sorriso e convidou-me a acompanhá-la numa chávena de chá e bolo, que acabara de sair do forno.
Decorrido largos meses, retiniu o telefone - terrim, terrim… - Levantei o auscultador e ouvi voz feminina, informando que acabara de publicar um livro de poemas e que reservara-me um exemplar, pelo preço de vinte euros.
Esclareci-a, que apesar de apreciar a sua poesia, não podia adquirir todos as obras, de todos os escritores e poetas que entrevistava.
Amuou. Nunca mais a vi.
O exórdio vem a propósito do que ouvi, a semana passada, pela boca de amigo:
Falecera-lhe o senhor seu pai. Entre os largos bens que deixou, contavam-se livros que publicara, de colaboração com conhecida editora.
Repartiram os bens, e em respeito ao pai, assentaram oferecer as obras que sobraram, por familiares e amigos.
Os parentes, muito agradecidos, recusaram, porque tinham muitos livros…
Perguntando se não queriam exemplares, já que estavam novos, para oferecer, responderam (envergonhados,) que: não.
Contactaram, então, amigos e conhecidos. Esclareceram que já possuíam alguns exemplares das obras, e não conheciam a quem pudessem interessar.
Senhora, admiradora do autor, que solicitava a oferta de exemplar, sempre que saíam do prelo, balbuciando, argumentou:
- “ Como sabe, tenho alguns livros dele. Já leio pouco e a maioria das minhas amigas, têm livros só para encher estantes…”
Resumindo:
Todos admiraram o escritor, o intelectual, enquanto viveu; assim acontece com quase todos os escritores e poetas Se são importantes e têm nome feito, na hora do funeral, comentam: - que foram amigos do defunto e contam, curiosas cenas ocorridas com eles - principalmente se está presente a mass-media.
Se é ilustre desconhecido, muitas vezes, nem aparecem e depressa o esquecem…
Descendente do autor, chegou a sugerir – segundo me contou, – que vendessem os livros ao farrapeiro ou os queimassem…
Todavia, quando frequentava a Universidade, orgulhava-se de ser bisneta do jornalista X. Homem conhecido e respeitado na sua cidade.
É a vida…

 Comente este texto


Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: AGLE (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP sera enviado junto com a mensagem.