A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

Escritor ADhemyr Fortunatto
Publicações
Perfil
Comente este texto
 
Crônica
 
A OPINIÃO DE DONA COTINHA
Por: Escritor ADhemyr Fortunatto

DA SÉRIE CONTOS AUTOBIOGRÁFICOS DE ADhemyr Fortunatto.

Proibida a reprodução sem autorização prévia do autor.
Texto publicado em nossa Coluna, no JR NOTÍCIAS.
---------------------------------------------------------------------------

É certo — disse-me um amigo certa vez, — que em determinados assuntos é importante a opinião de uma mulher.
Eu tentei apor o meu conceito, de que em todos os assuntos, isto sim, a opinião de uma mulher deve ser requisitada.
Ele fez um muxoxo; ajeitou a gravata; virou mais um gole da cerveja gelada; mudou de assunto.
E apesar de tantos pontos-e-vírgulas, e afinal, o ponto final, nem por isso nossa amizade esfriou; o que fez com que nos separássemos foi que ele mudou de empresa; foi para o interior, e nunca mais nos falamos. Mas, bem... Essa não é a história a que me propunha aqui narrar!
Pois então, decidido estou a contar porque dia desses lembrei da consideração daquele amigo, de tanto ouvir as mães da vizinhança gritando com os seus filhos ‘crescidinhos’:

— Vá tomar banho, fulano! Há dois dias que não toma banho!

Às vezes três, até quatro, cinco dias... (Risos...).
Mais risos ainda porque o episódio aqui se trata mesmo é de filhos adultos; homens de vinte, vinte e cinco, trinta anos.
Aí dei para ponderar até que ponto, quando esses homens casassem, suas esposas ficariam mandando-os tomar banho, tal qual suas mães, agora.
Ri do meu pensar. Nem por isso abdiquei de querer saber de uma opinião alheia. Foi assim que rememorei o meu amigo do passado, que ressaltara o imperativo da opinião feminina, em certos casos.
Ah, de pronto lembrei da Dona Cotinha, senhora de sessenta anos, viúva do Dr. Ambrósio...

E tão logo pude vê-la, coloquei em pauta esse assunto dos homens adultos sujos, ao que ela me olhou com certa suspeita, pelo que me pareceu.
Estávamos vindos da feira, ambos cheios de sacolas, tanto que até me propus a carregar algumas compras dela.
Após meditar um tanto, ela me disse, com segurança; olhar malicioso:
— Filho... da mesma forma que há homens fedorentos em casa, há homens muito cheirosos na rua!
Nesse ponto da conversa ela já chegava em casa, e procurava a chave para abrir o portão; morávamos relativamente pertos um do outro. Aproveitei para pedir mais detalhes:
— Como assim, Dona Cotinha?
Ora, meu filho, fez ela, meneando a cabeça, da missa você não sabe nem a metade! Não se esqueça que fui casada durante anos com um homem fedorento...
— Ah?!...
— Sei do riscado, meu filho! — acrescentou afinal a Dona Cotinha, com um olhar maroto, cheia de sacolas (e talvez de segredos...), entrando em casa, despedindo-se de mim sem me olhar.
----------------------------------------------
Autor: ADhemyr Fortunatto - Escritor e Jornalista
Autor dos livros: AS AVENTURAS DO BODÃO (Humor) e Reflexões de um Sujeito à toa (Crônicas).
[email protected]

 Comente este texto

 

Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: DaaX (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.