Seleção de Livros! Clique e confira.

A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 

E-mail:
Senha
       
        Cadastre-se
Esqueci minha senha
Homepage
Pensadores
Lazer e informação
Citações
Textos Fantásticos
Poemando
Provérbios
Estatuto do poeta
Peão diz cada uma!
Bíblicos
Contos e poemas de Natal
Básico de violão
Livrarias
Informática
Artes
Jornais
Revistas
Música
Televisão
Infantil

MUSIPOEMA

MUSIPOEMA
A HISTÓRIA DO ROCK IN ROLL
SER MÃE
AMIGO É...
AMAR É...
 

 

Busca

 
 
 

 

JOSE ROBERTO TAKEO ICHIHARA
Publicações
Perfil
Comente este texto
 
Ensaio
 
Alegria e bom humor, apesar das dificuldades
Por: JOSE ROBERTO TAKEO ICHIHARA

Carlos Alberto Shigeru Ichihara (11/09/1951 ~ 16/01/2018)

Costuma-se dizer que dinheiro não traz felicidade, o que é muito contestado por quem acha que tudo nesta vida depende da situação financeira de cada um. Por isso, o sonho nacional de ganhar na megasena da virada, de preferência sozinho, para espantar definitivamente todos os problemas do cotidiano no presente e garantir um futuro recheado de alegria, felicidade e harmonia. Mas será que a realidade comprova que a solução para todas dificuldades na jornada do ser humano está numa conta bancária polpuda? Por que alguns ricaços caem em depressão?
Nos momentos de dificuldades é que conhecemos a grandeza de espírito de cada um. Quando a moradia, a alimentação e as perspectivas de melhora estão muito distante do nosso desejo. O que fazer nessas horas? Se revoltar contra tudo e contra todos? Ou manter o bom humor e encontrar prazer e alegria na realização do que estiver ao nosso alcance? Talvez essas sejam as atitudes dos que acreditam que enfrentar as adversidades são necessárias para o fortalecimento de qualquer pessoa. Também servem para impor limites no senso crítico individual.
Muitos exibem orgulhosos as inúmeras conquistas acadêmicas achando que apenas isso os colocam acima dos outros. Adicionam a esses atributos a desenvoltura no domínio de outros idiomas, o que significa um diferencial apreciado pelas empresas no mundo dos negócios. Mas será que a experiência e as lições aprendidas na “Escola da Vida” devem ser ignoradas neste mundo acirradamente competitivo? A sabedoria, a prática tem demonstrado, independe do tão valorizado conhecimento técnico. Universidade nenhuma ensina os segredos para se viver bem.
Neste 16/01/2018, o meu irmão Carlos deixou este mundo. Quando a situação da família ficou difícil, por uns acidentes de percurso, passamos muitas dificuldades. Morar numa pequena casa de madeira, com apenas dois quartos, com uma sala exígua e uma cozinha onde mal cabia um fogão, não era nada fácil. Dividir este reduzido espaço entre seis irmãos... mais difícil ainda. Geladeira era impensável – a água consumida vinha do velho pote de barro -, um luxo que estava longe por falta de espaço e recurso financeiro. A única refeição completa era um modesto almoço.
Hoje recordo como o Carlos encontrava alegria e prazer ao preparar sua refeição. Por vários meses o cardápio foi baseado na sardinha enlatada. A criatividade era tanta que até a filha da nossa locadora vinha comer junto com ele. A maneira como ele temperava parecia que estava usando uma matéria-prima de primeiríssima classe. Isso contagiava os demais e ajudava a enfrentar a situação com otimismo. Por não gostar de estudar, resolveu trabalhar e ajudar os irmãos, inclusive foi ele que pagou a meia-bolsa do meu cursinho de vestibular. Como esquecer?
Quando a situação melhorou, ele constituiu família e logo depois foi morar em Manaus. O passo seguinte foi mudar para São Paulo, onde se aposentou. Com os filhos já encaminhados, passou a curtir a vida, sem muito luxo mas rica em demonstração de amor aos netos, quando reunia todos para o almoço domingueiro em família. Sempre apreciou um aperitivo, uma cerveja e gostava de frequentar churrascaria. Isso pode até não ser uma receita de vida, mas questiona a tese de que apenas dinheiro, muito dinheiro, traz felicidade para alguém – é preciso saber viver!
Encerro com tristeza pela perda da sua convivência, mas encontro conforto ao relembrar a forma como ele encarava a vida com alegria, bom humor e prazer, apesar das dificuldades. O seu exemplo serve para refletir sobre o comportamento dos que não escolheram o caminho da Universidade para atingir os seus objetivos. Sua grande e única escola foi a própria vida, onde o aprendizado e os resultados só dependem de cada um. Que a sua alma descanse eternamente na Paz de Deus. E que lá do alto continue amando sua família, seus irmãos e seus amigos.

J R Ichihara
17/01/2018

 Comente este texto

 

Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: ULWU (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.