Seleção de Livros! Clique e confira.

A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 

E-mail:
Senha
       
        Cadastre-se
Esqueci minha senha
Homepage
Pensadores
Lazer e informação
Citações
Textos Fantásticos
Poemando
Provérbios
Estatuto do poeta
Peão diz cada uma!
Bíblicos
Contos e poemas de Natal
Básico de violão
Livrarias
Informática
Artes
Jornais
Revistas
Música
Televisão
Infantil

MUSIPOEMA

MUSIPOEMA
A HISTÓRIA DO ROCK IN ROLL
SER MÃE
AMIGO É...
AMAR É...
 

 

Busca

 
 
 

 

Humberto Pinho da Silva
Publicações
Perfil
Comente este texto
 
Crônica
 
RECORDANDO O PASSADO… EM BRAGANÇA
Por: Humberto Pinho da Silva

Fecho os olhos, e vejo. – Como vejo, Deus meu! – Vejo, o passado, que passou; vejo, sonhos bons, que não pude ou não soube realizar. Vejo: injustiças, ingratidões, aleivosias, dos que julgava serem amigos… mas não eram.

Vejo melhor quando cerro os olhos, e caio em sonolência, que é um dormir acordado.

A velhice, também, tem encantos, e momentos de alegrias e de amarguras: umas vezes, o passado surge pintado a cores garridas, cheio de risos e sol; outras vezes, tudo fica negro, negro como a noite negra; e a alma constrangida, entristece e chora.

No turbilhão da vida, encontrei enganos e desenganos; e, também, grandes ingratidões: que enlutaram a alma, enchendo-a de amarguras e tristezas desinquietantes.

Em Bragança – que saudosas recordações tenho dessa cidade! – encontrei almas simples, boas e amigas, que nunca as pude esquecer. Pensei serem amizades para sempre… mas a vida separou-nos.

Em derradeira tentativa, ainda procurei reatar o ténue fio que restava; não consegui: vaidades, desprezos, orgulhos, indiferenças – sei lá! – quebraram o barbante que julgava unir o passado ao presente. Por certo não sabiam, nem sabem, que a amizade, é o maior bem, se for sincera e desinteressada.

Nunca foi tão fácil, como agora, comunicar, mesmo quando extensas distâncias separam: o telefone, a Internet, aproxima. Todavia nunca houve tanta solidão! … Tanta falta de humanidade! … Tanta ingratidão! …

Egoísmo? Talvez. Pensam: “ Se não necessito do auxilio monetário; da influência que teve na coletividade; para quê telefonar-lhe? Para quê enviar-lhe e-mail amigo, se ele, agora, é velho, doente, insignificante?! …

Nas horas de solidão – e são tantas! … – penso, no que: ouço, vejo e leio. Penso, também, nos que já partiram; e nos que ainda não partiram…mas é como tivessem partido…

Penso, nas alegrias que passei (recordando o tempo de outrora) e na angustia, que senti, ao ver-me injustiçado no BC3, que estava em construção, e tudo por falta de carácter, por mentira, de quem tinha medo da verdade…

Penso, também, na vida pacata e rotineira, que levava nessa amorosa cidade transmontana: Nas tardes aconchegantes, no Café “ Lisboa”; mais tarde, no velho e elegante “ Chave d’Douro”.

E, igualmente, nas quentes noites de Verão, passadas no jardim, à beira do tranquilo Fervença, onde os jovens namoravam e deambulavam, placidamente, embalados por românticas canções, quase sempre, de Roberto Carlos.

Penso, com o coração apertado de saudade, na casa acolhedora – meu refugio predileto, – onde Senhora e Mãe, recebia-me sempre com afetuoso e singelo sorriso, nos lábios, e palavras maternais, que acalentavam o coração entristecido.

Tudo desapareceu. Primeiro: as pessoas, que conheci e cavaqueei, nas longas e frias noites de Inverno, ao redor das brasas rubras, da fuliginosa pedra do lar, quando a neve caia, em rolão, e o frigidíssimo vento da Sanábria, parecia fazer talhos na epiderme enregelada…

Depois: a cidade…

Pouco restou do passado: alguns edifícios; algumas ruas alindadas; e a velhíssima e vetusta cidadela, com o castelo imponente e a senhorial Domus Municipalis.

Numa tépida noite de Verão – recordo, como se fosse hoje! - assisti, encantado, no castelo, à exibição do grupo de dança: “ Verde Gaio”, que deveras impressionou-me.

Certa ocasião – como me lembro! … - chegou a Bragança, famoso ilusionista, que possuía dons especiais: dirigia, de olhos vendados, uma viatura; e mostrou ser extraordinário hipnotizador, no Cine-Teatro, perante a admiração do público.

Nessa recuada época – e já lá vai meio século! … – as novidades eram poucas. As conversas versavam, em regra: mexericos: falava-se de namoros, das meninas do Magistério, e dos militares. Os mais velhos, e mais sisudos, comentavam programas da RTP, e falavam de negócios.

Em 1969, assisti, com o Sr. Manuel do “Café Lisboa”, à chegada do ApoloII, a solo lunar; e recordo ter visto (a preto e branco,) a imagem esfumada, de Neil Amstrong, a cravar, na superfície rugosa da Lua, a vistosa bandeira Americana.

Em horas de descanso, enquanto o sono não me domina: penso, medito, recordo, o tempo que foi, e já não é…

Imensa tristeza abate-se, então, na alma, ao lembrar-me, que tudo, que presenciei: cenas, episódios, conversas, que animaram a velha cidade, desapareceram, como se nunca tivessem acontecido…

Jamais voltarão as amenas e saudosas tardes de domingo no “ Floresta”; os aprazíveis passeios à pousada; as cavaqueiras “eruditas”, como encarregado da Biblioteca Itinerante, em modesta tasquinha, bebericando orologi replica vinho com gasosa.

Tudo pertence ao passado. Passado que se esfumou, diluindo-se em saudade, e morrerá, para sempre, quando eu partir – ai de mim! – para a eternidade.

E um tumulto de pensamentos e imagens, de saudosas nostalgias, em ondas de tristeza e ternura, invade-me a alma, constrangida… como forasteira, na própria Pátria.

 Comente este texto

 

Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: XKSX (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.