Seleção de Livros! Clique e confira.

A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 

E-mail:
Senha
       
        Cadastre-se
Esqueci minha senha
Homepage
Pensadores
Lazer e informação
Citações
Textos Fantásticos
Poemando
Provérbios
Estatuto do poeta
Peão diz cada uma!
Bíblicos
Contos e poemas de Natal
Básico de violão
Livrarias
Informática
Artes
Jornais
Revistas
Música
Televisão
Infantil

MUSIPOEMA

MUSIPOEMA
A HISTÓRIA DO ROCK IN ROLL
SER MÃE
AMIGO É...
AMAR É...
 

 

Busca

 
 
 

 

 
Ensaio
 
Velhice - que Deus nos ajude!
Por: Marlene A. Torrigo

Encontrei a explanação abaixo no meu facebook. Sinceramente, consenti em parte com a autora. Leia-se.

"Deixe-me envelhecer sem compromissos e cobranças, sem a obrigação de parecer jovem e ser bonita para alguém. Quero ao meu lado quem me entenda e me ame como eu sou, um amor para dividirmos tropeços desta nossa última jornada. Quero envelhecer com dignidade, sabedoria e esperança. Amar a minha vida e agradecer pelos dias que ainda me restam. Eu não quero perder meu tempo precioso com aventuras, paixões perniciosas que nada acrescentam e nada valem. Deixem-me envelhecer com sanidade e discernimento, com a certeza que cumpri os meus deveres e minha missão. Quero aproveitar essa paz merecida para descansar e refletir, ter amigos para compartilharmos experiências, conhecimentos. Quero envelhecer sem temer as rugas e meus cabelos brancos, sem frustrações, terminar a etapa final desta minha existência.
Não quero me deixar levar por aparências e vaidades bobas, nem me envolver com relações que vão me fazer infeliz. Deixem-me envelhecer, aceitar a velhice com suas mazelas, ter a certeza que minha luta não foi em vão, que teve um sentido. Quero envelhecer sem temer a morte e medo da despedida, acreditar que a velhice é o retorno de uma viagem, não é o fim. Não quero ser um exemplo, quero dar um sentido ao meu viver, ter serenidade, um sono tranquilo e andar de cabeça erguida, fazer somente o que eu gosto, com a sensação de liberdade. Quero saber envelhecer, ser uma velha consciente e feliz." (M Concita Weber)

Ora, idosos sempre parecem esquecer os arroubos da juventude - há quem envelheça crendo que a adolescência é para sempre - e tendem a se encher de virtudes ao envelhecer. Quando jovens muitos de nós não fomos exatamente endiabrados, mas também não fomos exatamente anjinhos. Ainda, a realidade da velhice para idosos humildes é bem diferente da dos idosos de classe privilegiada, como a autora do texto parece ser. Interessante... Eu vi várias fotos de Concita na mídia virtual em que ela se mostra bastante vaidosa. Não é uma senhora idosa que use roupas simplórias, baratas. Em todas ela aparece bem chique, elegantemente excêntrica. Concita diz não pretender se deixar levar por aparências e vaidades tolas, porém em algumas fotos nota-se o seu apelo ao programa photoshop de rejuvenescimento.

ENVELHECER... Envelhecer com dignidade, sim! Mas envelhecer sem exagero de melindres, sem falsa modéstia, sem tolas sentimentalidades. Quem disse que as mulheres aceitam conformadas as rugas da velhice? Aceitam-nas porque não têm saída. Há um comércio milionário de cosméticos por trás de tanta modéstia. E quem disse que a velhice propriamente dita é pontilhada de amigos? A velhice é um deserto, ainda mais em Era que monofóbicos não desgrudam do celular - eu trabalho na Saúde, onde circulam muitos idosos e sei bem em respeito a dor e solidão de muitos de eles.
Vale sim, cuidar legal da aparência dentro dos recursos que se possa permitir. Vale cuidar da saúde, alimentar-se adequadamente, amiúde tomar sol matinal e praticar atividades físicas. Vale tornar seu lar um ambiente agradável, arejado, desligando-se de supérfluos e excedentes. Vale permanecer na ativa, e passear, viajar, fazer um curso, ler, ouvir músicas, assistir filmes, dedicar-se a uma causa, enfim, policiar-se sempre a fim de evitar se tornar uma pessoa ranzinza, casmurra, egoísta, exigente demais, metódica demais, chata demais, chorosa demais. Vale fazer um pouco de bagunça na velhice para não torná-la demasiado triste, sombria e amarga.
E sorrir, fantasiar-se de estrela, brincar de felicidade! A velhice acentua a dor da alma que nos persegue por toda a vida. Então, aproveite-se bem os momentos de felicidade. E se envelhecermos demasiado, se perdermos a nossa autonomia (que Deus nos ajude!), cumpra-se o nosso destino!
A morte talvez não seja o problema maior dos que envelhecem demasiado. Pondero que até seja possível encará-la. Problema maior será a perda da nossa autonomia física, mental e intelectual.

 Comente este texto

 

Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: ASLY (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.