Seleção de Livros! Clique e confira.

A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

JOSE ROBERTO TAKEO ICHIHARA
Publicações
Perfil
Comente este texto
 
Artigo
 
Reeleição de Putin na Rússia
Por: JOSE ROBERTO TAKEO ICHIHARA

O direito de escolher o governante?


Apesar do assassinato da vereadora Marielle Franco ainda ganhar algum espaço na mídia nacional e internacional, outra notícia passou a dividir as atenções das autoridades e dos que se interessam pelos efeitos da globalização. A reeleição de Vladimir Putin, na Rússia, para continuar comandando o país até 2024. Ele se mantém no poder desde 1999, apesar de muitos o acusarem de perseguições e até do recente envenenamento do ex-espião Sergei Skripal e de sua filha Yulia, no Reino Unido. Isso gerou expulsão de diplomatas e fechamento de embaixadas entre as partes.
Mas a análise interna sobre os números mostrados nos índices que classificam as condições de vida da população joga a favor de Putin. Segundo as informações veiculadas, a gestão dele exibe menos pobres, mais aquisição de carros e micro-ondas, maiores gastos com decoração residencial, maior consumo de champanhe, maior acesso à internet, além de aumento da população e dos investimentos nas Forças Armadas. Por outro, o salário pouco aumentou, a frequência nas bibliotecas diminuiu e os espectadores de circos diminuíram. Mas houve rejeição.
Para o especialista brasileiro em assuntos internacionais, Marco Simões, a permanência de Putin na presidência da Rússia será benéfica para a estabilidade mundial e para o Brasil. Segundo ele, os países são complementares nas suas necessidades. Enquanto a Rússia é uma potência militar, em química e outras tecnologias avançadas, mas não possui grandes áreas agricultáveis, o Brasil é um grande fornecedor de produtos agrícolas e tem interesses nas atividades dominadas por ela. Na área internacional é por causa das fronteiras com outros países.
Sob a ótica das relações comerciais se torna fundamental os problemas internos de cada parceiro? Lógico que a estabilidade política deve ser levada em consideração, mas qual país é totalmente isento de corrupção, injustiça e outras manifestações populares por causa da insatisfação individual ou coletiva? Ouve-se há décadas que os produtos importados da China são resultado do trabalho escravo. Mas quantos deixam de compra-los, devido ao preço atraente, por causa disso? O que dizer sobre as condições dos bolivianos nas confecções em São Paulo?
Gostem ou não do regime da Rússia, mas no momento em que o nosso grande parceiro comercial, os Estados Unidos, adotam medidas protecionistas à suas empresas... Uma aproximação com a Rússia deve ser rejeitada por causa das críticas à liberdade das pessoas? Se o envenenamento do ex-espião foi considerado uma tentativa de calar a boca dele, a execução da vereadora Marielle não é muito diferente disso. E no final das contas o que interessa mesmo é o resultado da balança comercial. Ou não é desta forma que a questão é vista pelo capitalismo?
Talvez o grande problema nacional seja o de querer a perfeição que jamais existirá no planeta. A mídia divulgou que a empresa norueguesa Hydro Alunorte, em Barcarena-PA, vem poluindo a região com metais pesados há algum tempo. Curiosamente um cidadão que denunciava as irregularidades foi assassinado. Portanto, a transparência e o cumprimento das normas ambientais, que são rigorosamente obedecidas no Primeiro Mundo, são vergonhosamente ignoradas em Terra Brasilis – e quem se arrisca a questionar pode morrer misteriosamente.
Infelizmente não estamos à vontade para criticar o sistema eleitoral da Rússia. A pouco mais de seis meses da nossa eleição presidencial, ainda não sabemos se isso acontecerá. Parece que tudo vai depender da prisão do ex-presidente Lula, que lidera as pesquisas oficiais há vários meses. Para quem viveu sob um regime ditatorial quase um século, parece que eles amadureceram rapidamente e sabem o que querem. A sensação é que estão se lixando para a aprovação do mercado financeiro internacional sobre esta livre escolha. Enquanto nós aqui...


J R Ichihara
19/03/2018

 Comente este texto

 

Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: IDFc (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.