A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

Haroldo Pereira Barboza
Publicações
Perfil
Comente este texto
 
Artigo
 
Direitos desiguais
Por: Haroldo Pereira Barboza

Direitos desiguais

Sob o ponto de vista da segurança, podemos dividir nossa população em dois grupos.

Grupo 1 – onde 99,998% da nossa sociedade lúcida é contra a pena de morte, mesmo para quem já matou mais de 4 vezes, eliminou idosos e crianças com requinte de crueldade.

Grupo 2 – onde 0,002% pratica a pena de morte sem cerimônia, sem tribunal, sem julgamento, sem contemplação. Para dar conta desta “tarefa”, possuem mais armamento sofisticado e estratégia que a força policial da região. E recebem “proteção” de dezenas de ONGs empenhadas em sua “ressocialização”(?) nos presídios “aparelhados” de nosso território.

O morador da Rocinha (RJ) conhecido por “Marechal” morreu durante tiroteio entre policiais e marginais da região em 22/03/18. Correm boatos de que ele até ajudou um policial ferido neste evento.
Um personagem com esta conduta, que pode servir de bom exemplo aos jovens, não mereceu manchetes (nem modestas) por uma semana na mídia, bloqueio da Av. Rio Branco nem “caravanas” conduzidas por “militantes” indignados com a insegurança reinante e com discursos inflamados contra os que adornam o cenário propício aos malfeitores.

Nenhuma das ONGs defensoras da “liberdade” (libertinagem?) e dos “direitos” liderou uma ação exigindo respeito e justiça.

Como a sociedade (grupo um) preocupada com a carga das baterias de seus “ismartifones” não interpreta estes sinais como alertas de profundo risco aos seus integrantes, a matança diária de elementos do grupo um há de continuar sob o manto da impunidade não revisada pelos legisladores cuja maioria lucra com a prática danosa diária dos malfeitores que aquecem o grupo dois, que continuará lentamente (?) aumentando seu perímetro ao longo dos próximos anos sombrios.

Haroldo P. Barboza - RJ

 Comente este texto

 

Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: UaDR (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.