Seleção de Livros! Clique e confira.

A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 

E-mail:
Senha
       
        Cadastre-se
Esqueci minha senha
Homepage
Pensadores
Lazer e informação
Citações
Textos Fantásticos
Poemando
Provérbios
Estatuto do poeta
Peão diz cada uma!
Bíblicos
Contos e poemas de Natal
Básico de violão
Livrarias
Informática
Artes
Jornais
Revistas
Música
Televisão
Infantil

MUSIPOEMA

MUSIPOEMA
A HISTÓRIA DO ROCK IN ROLL
SER MÃE
AMIGO É...
AMAR É...
 

 

Busca

 
 
 

 

 
Crônica
 
O TRAVESSEIRO DE MACELA
Por: ROSANGELA MALUF

O TRAVESSEIRO DE MACELA
Rosangela Maluf



São dez horas da manhã de um dia cinzento e nublado. Estamos no comecinho de abril. O Outono apenas começou e o friozinho da madrugada se esparrama ainda por estas montanhas. Acordei mais cedo, fiz a cama, ajeitei os lençóis, estendi a colcha de crochê e separei os travesseiros. De um deles, retirei a fronha branca, com barra de tira bordada e passa-fita de cetim. De dentro dela retiro, com cuidado, o meu antigo travesseiro de macela, aquelas flores pequeninas, amarelinhas, delicadas e perfumadas.

Antigo mesmo. Me acompanha faz tempo, há mais de vinte anos. Ouviu muitos lamentos, secou muito choro. A ele me abracei em momentos de tristeza. Ou solidão. Juntos varamos noites e noites a dormir. Ou acordados, os dois. O travesseiro com as flores cheirosas, que me acalmavam e me faziam tanto bem, agora são restos apagados de uma vida inteira. Olho para aquelas flores secas e penso na impermanência das coisas, de tudo! As pessoas, os lugares, as fotos, os fatos, as canções, os sentimentos – tudo passa, nada permanece, nada. Respiro fundo e me sinto triste...só por causa do travesseiro? Claro que não.

Vou até o latão que fica no quintal e corto a ponta da fronha fazendo sair todo o recheio. Flores amarelas, já acinzentadas pelo tempo, mas ainda cheirosas; perfume que me embalou o sono e sonhos. Despejo no latão todas as flores desbotadas pelos anos; as lágrimas-de-nossa-senhora que eu apertava em momentos de aflição. Despejo também sacos de papel rasgado e jogo álcool. Risco o fósforo e fico olhando o fogo.

Rapidamente as chamas vão consumindo o que sobrou do travesseiro: flores secas, galhinhos e folhas igualmente mortas pelo tempo. Sem vida. Só restos. São poucas as chamas agora. Quase tudo já se foi. O fogo consumiu tudo. O tempo consome tudo também. Fica pouca coisa. Lembranças, cheiros, músicas, um detalhe ou outro.

Recolho a garrafa de álcool. Pego a caixa de fósforos. Volto para casa, mas antes entro no quarto de hóspedes. Pego um travesseiro novo, até então guardado para visitas. Afinal, vou precisar de outro. Subo para o meu quarto. A manhã permanece cinzenta. Ainda está frio. Recoloco a fronha. Me deito. Acho estranho, precisarei me acostumar. Recoloco a fronha. Aperto o novo travesseiro. Nenhum perfume. Aperto novamente e cheiro. Nada. Preciso mesmo me acostumar.

Deixo o travesseiro sobre a colcha de crochê. Seco uma lágrima teimosa que insiste em correr. Puxo as cortinas, fecho a porta e desço. Respiro fundo. Preciso de um café bem forte.

Abril 2018

 Comente este texto

 

Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: EgKb (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.