A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 
Conto
 
Ah, o aroma do alecrim!
Por: Morena

Você... Quer conhecer a minha casa? Vais achá-la estranha. Talvez exótica. A cozinha é esse encanto todo, muito arrumadinha, porque não gosto de cozinhar. Digamos que eu cozinhe o básico, o estritamente necessário. A sala, bem ali. Diferente, não é mesmo? Observe quantas plantas. Deste lado os quartos, bem simples. Nada reveladores. Não tenho cortinas nem tapetes. É tudo sem muitos enfeites, bibelôs. Parafernálias são-me perfeitamente descartáveis. Sabe como são os alérgicos à poeira... Gosto de almofadas. Tenho muitas. Lindas. Multicores. Quer conhecer meu jardim? Minha horta também? Legal! Venha então. É primavera. A bela e glamorosa primavera. As flores estão lindas. Veja as azaleias! E as rosas! E as margaridas!... Venha, venha ver a horta. Eu que plantei tudo. Tomate, pimenta, beterraba, alface, couve, salsinha, e ervas medicinais. Veja quantas. Ah, o aroma do alecrim, do orégano, do hortelã! Hummm... Gostou? Sabe, eu podia sentir a sua solidão e carência, mas amor exige sacrifícios. Eu... Eu atravessaria oceanos só para te olhar de longe. Olha para mim, amor meu. Eu estou aqui, mesmo que estejas distante anos-luz. Olha para mim. Veja como a saudade quebra a ordem matinal do meu dia. Eu soube no momento que te vi que jamais deixaria de te amar. Eu soube, mesmo ouvindo as tuas muitas mentiras. O que você fez comigo? Eu pareço ouvir outra parte de mim, como um feitiço lançado por você para não te esquecer. Não sejas tolo. Olhe para mim. Isto é apenas uma gravação para que saibas como ainda te quero bem. Jamais te odiaria. Sei que os homens não sabem amar direito. São rudes. Estão sempre aborrecidos. Confundem-se no amor. Mas são apenas meninos emburrados, presos num amalgama de emoções reclusas no peito. Olhe, olhe para mim. Não se intimide comigo. Com essa minha invasão nos teus sentimentos, nos teus segredos. Isto tudo é apenas um conto bobo, uma ilusão. Eu não existo. De fato, já não existo mais. Fui em tua vida apenas aquele relâmpago desajeitado cujas faíscas não causaram ranhura nenhuma no teu coração.

 Comente este texto
 

Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: QMUQ (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP sera enviado junto com a mensagem.