A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

 
Crônica
 
Plumas e penas: e uma sociedade hipócrita
Por: Marlene Nascimento

É inverídico se dizer que as escolas de samba usam penas de aves verdadeiras, de aves nobres, para confeccionar fantasias de carnaval. Tais aves, todas em risco de extinção, estão confinadas em parques ecológicos na tentativa de salvá-las da extinção total. As penas usadas atualmente são de material sintético. Hoje em dia, nenhum carnavalesco vai arriscar apresentar fantasias de penas verdadeiras. O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA), responsável pelas políticas de proteção do meio ambiente no Brasil, está de olho.

REPUBLICAÇÃO

"Sabemos que os animais trocam suas penas e/ou pelos, em determinadas épocas do ano. Assim sendo, em se tratando de plumas e penas, é assim que carnavalescos as adquirem para confeccionarem suas fantasias mais onerosas. O normal e amplamente usado atualmente são plumas e penas sintéticas. E, assim sendo, quando chega o carnaval, eis a época propícia para circular na mídia virtual as "monstruosidades" praticadas contra aves nobres, patrocinadas por foliões. Novamente assim sendo, milhares de "ambientalistas" ficam chocados com tais notícias, inverídicas e sensacionalistas, claro.
E não é que a maioria dos chocados até assinam petição, narrando os horrores a que são submetidas as aves exóticas. No entanto, tais ambientalistas, todos eles, degustam carne de sacrifício animal numa boa, e não sentem um pingo de dó ou remorso do bichinho guisado ou assado que devoram lambendo os beiços.
Pescar é um entretenimento tão inocente, não é mesmo? Quem liga para a agonia do pobre bichinho fora d'água? Sobre os matadouros, legais e ilegais, onde os bichinhos são expostos a toda sorte de maldade para humanos se banquetearem de suas carnes, ninguém levanta bandeiras. Nas festanças de fim de ano, banquete de pobre é enriquecido de peru e pernil, mas banquete de rico é a base de carnes nobres, como a de um gansinho, um faisãozinho, um pavãozinho, um avestruzinho, até mesmo de animaizinhos em lista de extinção obtidos no mercado negro. Isso sem enumerar os bovinos, suínos, caprinos...
Que sociedade hipócrita!"

 Comente este texto
 

Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: IUTR (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP sera enviado junto com a mensagem.