A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

Celso Corrêa de Freitas
Publicações
Perfil
Comente este texto
 
Crônica
 
Por que eles fizeram isso?
Por: Celso Corrêa de Freitas

Certa vez, quando ainda era estudante! Eu ousei escrever o meu nome na tampa da carteira escolar. Descoberta a minha travessura, eu tive que raspar toda a carteira, lixar e pintar, deixando a mesma do jeito que era. Passei a ter respeito por todas as carteiras escolares, e também pelo meu nome, pois nunca mais o coloquei em nada que não fosse uma folha de papel. Em alguns momentos escolar, fiquei de joelhos na sala de estudo e numa ocasião nunca me esqueço disso, tive que escrever três mi vezes um texto passado pelo monitor de plantão naquele final de semana no colégio. Eu podia até não escrever o texto, mas se tinha intenção de ir até o centro da cidade e pegar um cinema, namorar, passear pela principal avenida da cidade, aquela era a chave da porta de saída para mim. Escrevi o texto, e fui entrega-lo ao monitor. Ele me perguntou: Onde está o escrito que eu te passei?
Eu gelei! Terminado a escrita, eu joguei-o fora. O piso da sala era assoalhos, e ele deve ter entrado pelas frestas, sendo impossível recupera-lo... Tive que copiar mais 1.500 Vezes um outro texto, e desta vez não o joguei fora.
Eu odiei a escola por isso?
Nunca, jamais! Aprendi que ali era o divisor de águas na minha vida, e a única força capaz de me dar o saber, um rumo. Fora dali, longe dos seus professores eu era nada, ninguém, a disposição do mundo imundo para ser uma pessoa do mal, e pessoas assim no meu tempo, viviam a léguas de distância de uma escola, mais muito próximas dos pivetes.
O tempo passou, o tempo seguiu seu curso, e as pessoas no curso dele se permitiram mudar, mais do que mudar, aceitar determinadas situações em suas vidas.
E eu me tornei pai, e meus filhos começaram a estudar...
Pude sentir, o quanto as Escolas deixaram de ser Escolas, e passaram a ser Centros de passagem, onde estudar não era obrigatório, até se passava de ano, sem que se tivesse condições para isso, no universo das notas reprobatórias. Metodologia, hino, postura, exemplo, tudo passou a ter uma nova visão...
Seria maravilhoso, se no bojo dessas mudanças não viesse embutido o desrespeito a Escola e aos seus Professores.
A Escola começa a ser vandalizada, os Professores a apanhar dos alunos, o comportamento antissocial insere através de um determinado tipo execrável de música a promiscuidade no ambiente escolar ...
Mas nada disso acontece, sem que o dedo do sistema colabore para a implantação do caos educacional. O que justifica estarmos na 86ª colocação no ranking do IDH segundo a ONU, e no ranking com 127 países que mede o desempenho na educação, o Brasil ficou na 88ª posição.
(Nota: Dados de pesquisas disponíveis na Internet)
E aí você fica se perguntando: Por que eles fizeram isso?
Porque nós estamos permitindo isso, quando viramos as costas para o nosso verdadeiro papel de: Governantes, Pais, Educadores e formadores desse ser denominado “Cidadão”.
E esse cidadão não carrega em si a obrigação de ser pacato, mas não pode ser idiotizado por um sistema perverso.
Não devemos nos iludir, muitos vão dizer que a culpa é dele no presente. Não, a culpa sempre será nossa, por permitir esse tempo todo que ele no passado, nos fizesse acreditar que éramos a joia da coroa, quando na verdade sempre fomos, os bobos da corte.

 Comente este texto

 

Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: ZAIK (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.