A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

Escritor ADhemyr Fortunatto
Publicações
Perfil
Comente este texto
 
Humor
 
A INFÂNCIA DO BODÃO
Por: Escritor ADhemyr Fortunatto

Texto publicado em nossa Coluna, no JR NOTÍCIAS, de São Paulo – SP, 27.02.19

Proibida a reprodução sem autorização do autor.

----------------------------------------------
Quando morava na zona rural, em sua infância, o Bodão, de família muito pobre, ainda assim queria se apresentar bem ‘aprumadinho’ na escola, apesar de pé no chão, roupa surrada e cheia de remendos.
Como ele não queria aparecer despenteado, passava café no cabelo. Penteava e passava café! O cabelo ficava duro, parecendo bambu. Não despenteava. Ele corria com as outras crianças, e o cabelo ali sempre certinho.
Sendo a família pobre, era difícil arrumarem-lhe lanche para levar à escola. Então só levava pão com ovo. Ganhou o apelido de porra de galo!...
Uma vez por ano os vizinhos se ajuntavam, alugavam um caminhão, e todos na carroceria iam à cidade mais próxima, ao cinema, para assistir o filme “A Paixão de Cristo”. O menino Bodão não aguentava; vendo os sofrimentos de Jesus, se punha a chorar. O pai ralhava, dizendo: “Esse menino chora feito mulé... Acho que isso vai é virá bicha” ...
O Bodão já era especialista em massagens, desde essa época, embora as mesmas estivessem restritas aos pés da mãe. Mãinha adorava as massagens do Bodão. O menino tinha uma ‘mão santa’. Mal sabia ela que logo que ele crescesse, tornar-se-ia famoso por fazer massagens nas namoradas. E, à bem verdade, não só nos pés...
Os pais consideravam-no ‘inzibido’. Ou seja, que gostava de se exibir; não aceitava aquela vida, não. Um dos sonhos dele, quando crescesse, seria limpar a bunda com papel higiênico. Coisa chic! A maioria das pessoas, ele sabia, limpavam com mato mesmo. Às vezes com um sabugo...
O menino Bodão, no entanto, estava sempre surrupiando uma roupa velha de casa. Cortava direitinho, e limpava a bunda com aquilo! Que mato, que nada; que sabugo coisa nenhuma!
Ah, um dia ainda moraria numa cidade, e limparia a bunda com papel higiênico!...
----------------------------------------------------------------------
ADhemyr Fortunatto
Blogo: http://adhemyrfortunatto.blogspot.com.br
Autor dos livros:
1 – AS AVENTURAS DO BODÃO = Humor
2 – REFLEXÕES DE UM SUJEITO À TOA – Crônicas
Contatos com o Autor:
Facebook.com/ADhemyr Fortunatto
E-mail: [email protected]

 Comente este texto

 

Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: FXQD (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.