A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

Humberto Pinho da Silva
Publicações
Perfil
Comente este texto
 
Crônica
 
O QUE ACONTECEU A MARIA MATOS, NO CONSERVATÓRIO
Por: Humberto Pinho da Silva


Maria Matos era uma menina talentosa, mas muito tímida, e muito introvertida.
Quando se apresentou, ao exame de admissão, ao Conservatório, tremia como varas verdes.
Perante o jure, que a ia examinar, não era capaz de articular, fosse o que fosse.
Tudo que decorara e ensaiara, cuidadosamente, se varrera, inexplicavelmente, da memória.
Os membros do jure, pacientemente, aguardavam que recitasse poema, à escolha, ou trecho de texto, por ela escolhido. Mas nada. Tomada de medo, sua boca, era completamente muda.
A menina, agitando nervosamente a saia, ofegando, de olhos vagos, muito abertos, brilhando de ansiedade, esperava a sentença… A reprovação era certa…
Presenciava aquela confrangedora cena, D. João da Câmara, e apiedou-se da angústia daquela candidata, e, em tom meigo e paternal, disse-lhe:
- “ Reze a Avé - Maria…”
Ao escutar a voz amiga do dramaturgo, Maria Matos, como se fosse impelida por força misteriosa, aprumou-se, ergueu a cabeça, com altivez, e começou a declamar, diria melhor: a rezar, a oração, com tanta sensibilidade, de forma tão bela, que o jure, por unanimidade, não hesitou aprová-la.
D. João da Câmara, reconhecida por todos, que tiveram o privilégio de o conhecer, como Homem bom, prestável e amigo de auxiliar os que necessitavam, salvou aquela menina de reprovação certa.
Mais tarde, já famosa, considerada, pela crítica, como uma das melhores atrizes do seu tempo, sempre que lhe surgiam dificuldades, dirigia-se ao cemitério, e diante do jazigo de D. João da Câmara, pedia-lhe intercessão, perante Deus, e conselhos amigos.
“ Faz ternura…Não faz? …” Escrevia a D. Emília da Câmara Almeida Garrett, a sua mãe, em missiva, enviada de Castelo Branco, em 28/6/1910, acrescentando, que ouvira, o que acabei de narrar, da própria boca da atriz, quando a visitou, ao passar, em tournée, por aquela cidade.

 Comente este texto


Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: dCaT (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP sera enviado junto com a mensagem.