A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

 
Crônica
 
No tempo das mamonas assassinas
Por: Marlene Nascimento

Inúmeros textos falam mal da geração de crianças e jovens de hoje. Que no tempo dos autores de tais textos brincava-se inocentemente e não como na geração atual, abitolada em computador. Apregoam que no seu tempo, ser criança era muito melhor. Muito melhor... Educação à base de torturas, chibatadas, sevicias, eram benesses? Adultos fazem guerras, priorizam armamento bélico, esmeraram-se na extinção da fauna e da flora, predadores espreitam crianças, mulheres e idosos, por quê? Abusos sofridos na infância poderiam responder?

E lá estão os narradores contando belezas do seu tempo de criança, em que tudo era mais bonito, mais alegre, mais mágico. São textos que recebem muitos améns e palminhas. Mal, pois saibam os jovens de hoje que os jovens de antigamente não eram tão ingênuos assim, e alguns eram bem mauzinhos. E foram justamente em gerações passadas que se criaram os pequenos e grandes ditadores.

Realmente, analisar uma geração, condenando-a, sem compará-la ao prisma de gerações anteriores, no meu entender soa deveras primário, afinal, as outras gerações não foram tão inocentes assim. Lembram da brincadeira inocente de jogar sal em lesmas e sapos para vê-los derreter? E eles, meninos, atirando mamonas assassinas nas meninas, era legal? E dos estilingues aperfeiçoados para matar passarinhos e/ou qualquer bichinho que lhes atravessasse o caminho, vocês lembram? E as brincadeiras de bandidos e mocinhos, armados! Lembram?

Não é que aquelas crianças são os adultos hipócritas de hoje, reclamando da falta de sensibilidade dos jovens de agora? Sabemos que milhares de pessoas de gerações passadas - sociopatas e psicopatas - perambulam pelo mundo real e virtual destilando ódio e preconceitos vários. E os quarentões, cinquentões, sessentões, setentões, oitentões (de memória fraca) afirmando que tudo era melhor no seu tempo. Ah tá!

Pondere-se que uma criança de hoje seja até mais anjinha do que uma criança da geração dos agora velhinhos, aquela que caçava insetos para sufocá-los dentro de vidros tampados. Agiam com violência, respondendo inconscientes à violência que sofriam de adultos? Sim. Presentemente os jovenzinhos desperdiçam horas abitolados em aparelhagens eletrônicas. Claro, tudo mudou. São outros tempos. Também não os aprovo expostos a tanta parafernália eletrônica a ponto de se queixarem de cefaleia e dores nas costas, mas prefira-se assim a que voltem a se armar de estilingues, "armas de fogo", e que leis não os protejam de espancamentos e sevícias.

 Comente este texto
 

Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: EWAa (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP sera enviado junto com a mensagem.