A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

ALESSANDRA LELES ROCHA
Publicações
Perfil
Comente este texto
 
Crônica
 
A duras penas...
Por: ALESSANDRA LELES ROCHA




A duras penas o brasileiro vai descobrindo que a banalização do cotidiano está longe de ser um bom negócio. Aquela velha história de normalizar aquilo que nada tem de normal sempre cobra um custo alto no final. Vejamos, por exemplo, o que as chuvas desmedidas têm provocado nos centros urbanos nacionais.
Longe de ser um país sem recursos financeiros, técnicos ou logísticos, para justificar tamanha negligência, quando o assunto são as intempéries do clima. Temos lastro de conhecimento distribuído entre os melhores institutos de geociências do país, mas...
Paira no ar a existência de um abismo que separa a produção técnico-cientifica nacional e os gestores públicos que deveriam fazer uso dela. Entre a responsabilidade civil que esse desalinho promove e os custos de uma gestão eficiente, o denominador comum se tangencia pela economia.
O fato de vivermos em um país tropical, por si só, já seria motivo suficiente para estarmos em alerta constante aos riscos que essa condição nos impõe. Mas não. Em nome da “barateza”, uns e outros fecham os olhos para o uso e ocupação do solo, não promovem saneamento básico e coleta de lixo regular em áreas de encostas; enfim... Infelizmente, muitos pensam que ao aplicar essa “lei de descaso” estariam prejudicando apenas aqueles a quem consideram sem direito e voz.
Só que a coisa não é bem assim. Primeiro, porque na medida em que todos têm direitos e deveres e pagam impostos, todos merecem o mesmo tratamento, segundo a Constituição Federal. Segundo, porque diante das mazelas a linha imaginária que a sociedade permite estabelecer entre seus membros desaparece como em um passe de mágica. A enxurrada que avança veloz sobre a cidade não sabe se aqui ou ali residem ricos ou pobres; ela, simplesmente, varre com a sua fúria natural o caminho.
E de tanto se repetir, esses episódios terríveis vão caindo na legitimação do banal. Como se tudo pudesse se justificar pelo prisma da própria deseducação ambiental da população brasileira. Como se fosse o descuido desta com o seu lixo, com o desmatamento, com a poluição das águas,... o grande e único responsável por esse processo. Mas esse pensamento, esse discurso, ele tem origem no cansaço da ineficiência proposital dos gestores que se arrasta ao longo dos séculos. No entanto, o resultado disso é que a população termina por se abster de dar aos grandes responsáveis à dimensão desse dolo.
Afinal, não cabe diretamente à população coletar o lixo, onde nem sequer o serviço acontece regularmente; ou, resolver questões de planejamento urbano, de modo a evitar a ocupação irregular em áreas de morros e encostas; ou, melhorar os serviços de mobilidade urbana para que possa viver em áreas mais seguras, sem prejuízo no deslocamento;... Portanto, dizer que as coisas são como são é muito simplista.
A verdade que, talvez, muitos não queiram admitir é essa: estamos todos, literalmente, no mesmo barco. Quando as águas caem, elas caem para todos. Quando os ventos sopram, eles sopram para todos. Quando o fogo queima, ele queima para todos. Quando a neve cai, ela cai para todos.
A natureza na sua fúria é bastante igualitária, ela não faz distinção disso ou daquilo. É como a fábula de Esopo 1, “na próxima vez que você ouvir dizer que alguém está diante de um problema e acreditar que o problema não lhe diz respeito, lembre-se de que quando há uma ratoeira na casa, toda a fazenda corre risco. O problema de um é um problema de todos”.


1 https://www.contioutra.com/o-rato-e-a-ratoeira-uma-fabula-de-esopo/

 Comente este texto

 

Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: fUEI (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.