A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

 
Conto
 
A MULHER DE LOT
Por: ROSANGELA MALUF

Se eu tivesse olhado pra trás, a dor seria ainda maior. Teria visto as cores do meu paraíso que ficava ali, estático, imóvel, não mais esperando por mim. A imensidão do céu, daquele azul inexplicável; o sol dourado, brilhando, em sua majestade plena; as árvores de um verde cintilante e as flores que enchiam de cores o nosso jardim. Nele, a casinha amarela, as janelas azuis; vasos que certamente não seriam mais cuidados, jardins que me enchiam de alegria, mas que logo morreriam também. Tudo secaria em pouco tempo. O cachorro adorado, sua casinha, seus brinquedos espalhados pela grama. Se eu tivesse olhado pra trás certamente não seria forte como precisava (ou parecia) ser.

Se eu tivesse olhado pra trás, veria a casinha de orações, local sagrado de profunda meditação e agradecimento diário pela vida que eu escolhera. As coloridas bandeirolas budistas, os enfeites nas paredes, o tapete, as almofadas, os mantras, as velas, os incensos, a paz que reinava ali. Levarei, por onde eu for aquela luz, aquele cheiro, aquele sossego. Ainda bem que não olhei pra trás!

Ao me separar definitivamente, me vi entre dois mundos distintos. Duas realidades diferentes: uma seca, indiferente, distante e árida e a outra, acolhedora, amorosa, cheia de ternura e afeto. Entre o presente e o passado, eu me movia, a duras penas. Muito duras. Futuro não havia. O nó na garganta estava ali. Era presente, muito presente. E não cedia por nada. Estado de sofrimento contínuo.

Afundada em abismos, cavei túneis onde coubessem a minha dor e eu.
Sob a terra encontrei um espaço e nele me instalei.
Criei novas raízes, me alimentei de outras seivas, fui ficando forte, cresci.
Construí um novo mundo, uma caverna, uma concha, um útero e ali fui ficando!
Me esparramei.

Não olhei pra trás. Não me transformei numa estátua de sal. Não fui a mulher de Lot. As lágrimas secaram e ainda hoje fazem arder meus olhos, mas não irão me desertificar, isto não . O coração bate, sem ritmo, descompassado, sem nenhuma vontade de continuar pulsando; os pensamentos vazios vagueiam, voando lá e cá. Sem fome, sem sono, sem ânimo, mas tudo vai passar. Há de passar. Eu sei, eu sinto.

E se eu tivesse olhado pra trás não veria o horizonte que vejo, à minha frente; é pra frente seguirei. É pra frente que se vai. E eu irei...

ago/2019


 Comente este texto
 

Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: QUdU (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP sera enviado junto com a mensagem.