A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

JOSE ROBERTO TAKEO ICHIHARA
Publicações
Perfil
Comente este texto
 
Artigo
 
Intervenção na Amazônia brasileira por trás da cortina de fumaça?
Por: JOSE ROBERTO TAKEO ICHIHARA

Ninguém chamou o bombeiro!


As imagens sobre as queimadas na Amazônia foram exibidas no mundo inteiro, assim como as declarações inapropriadas do presidente Bolsonaro. Inevitavelmente as divergências sobre a posição do Brasil ocuparam muito espaço na mídia tradicional, mas principalmente nas redes sociais. O ponto alto da situação foi o bate-boca entre o presidente francês Macron e o nosso Mito, onde as ofensas pessoais em nada colaboraram para um entendimento, muito menos para a solução do combate ao incêndio. Faltou maturidade de parte a parte entre os dois líderes?
O mundo ficou sabendo que Macron declarou que Bolsonaro mentiu sobre os seus compromissos com o meio ambiente. A reação do Mito foi dizer que o francês é de esquerda e ele é de centro-direita. Também que potencializa o ódio. Fora do círculo diplomático, onde a baixaria não tem controle, surgiram postagens comparando a beleza das primeiras-damas e a insinuação que o francês teria inveja do brasileiro. Além disso, houve um comentário, que seria de Bolsonaro, zombando da esposa de Macron. Verdade ou mentira, a postagem repercutiu muito mal.
Em seguida, brotou um vendaval de futricas nativas sobre a aceitação da ajuda dos europeus para amenizar o problema que chamou a atenção do mundo. No início, Bolsonaro declarou que isso era esmola. Depois, falou que só aceitaria o recurso se o presidente francês pedisse desculpas por chamá-lo de mentiroso. Como sempre voltou atrás, o que não é nenhuma surpresa vindo dele. Sobre o fato de Macron dizer que o Brasil merece um presidente à altura do cargo... nada a declarar. Só que as providências para combater o fogo perderam a importância.
Para manter o estilo que os fãs incondicionais adoram, Bolsonaro declarou que vai trocar a poderosa caneta francesa Bic pela brasileira Compactor. Aproveitou os holofotes para dizer que os europeus estão interessados nas riquezas que temos na Amazônia. Como se isso fosse novidade para os brasileiros. Se ele mesmo coloca como prioridade a exploração mineral e a expansão da agropecuária na região, incentivando o desmatamento e expulsando os índios, por que os estrangeiros estariam preocupados conosco? Quanto ao combate ao fogo... deixa pra lá!
Não fosse um problema muito sério, as queimadas estariam recebendo um tratamento emergencial digno do seu tamanho e importância. O que o governo fez desde que soube desta ocorrência? Se empenhou ao máximo em descobrir o culpado! Acusou as ONGs, os índios, os sindicalistas vermelhos... até mostrou como alguém numa bicicleta provocou a tragédia. Os seus defensores ferrenhos disseram que isso sempre aconteceu, mas os oportunistas exageraram na intensidade – nada de anormal. Mas ninguém ouviu uma medida para combater os incêndios.
Soa estranho certas afirmações sobre a capacidade do Brasil explorar suas riquezas com recursos próprios. Por exemplo, no pré-sal, onde a Petrobras detém know how para isso, precisamos entregar aos estrangeiros porque não temos competência. Já nos Cafundós do Judas, em lugares inacessíveis da floresta amazônica, os intrépidos brazucas arrebentam e alavancam o desenvolvimento, colocando o país no lugar que merece – e os gringos devem ficar muito longe. São questões da geopolítica que deveriam servir como divisor de águas para o nacionalismo.
O nosso presidente insiste na tecla da ideologia, esquecendo que agora representa um país que não pode ser prejudicado por causa de suas preferências pessoais. Na reunião com os governadores dos estados atingidos, ele criticou as gestões anteriores, alertando que os recursos externos oferecidos estão atrelados à demarcação de terras indígenas, áreas de preservação ambiental, parques nacionais... tudo que compromete a soberania nacional. De oficial mesmo o que se sabe é que Bolsonaro autorizou o uso das Forças Armadas no combate ao incêndio.


J R Ichihara
31/08/2019

 Comente este texto
 

Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: SKWb (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP sera enviado junto com a mensagem.