A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 
Crônica
 
DESIGUALDADE E INJUSTIÇA
Por: Suely Braga





DESIGUALDADE E INJUSTIÇA

SUELY BRAGA

Que as desigualdades permeiam o caminho da humanidade, isso ninguém duvida. Não se trata de sermos diferentes só do ponto de vista biológico. O que agride, nesta constatação é justamente a desigualdade construída no âmbito social pelo próprio ser humano. Quando comparamos a vida entre os que podem, ou não usufruí-la dignamente, entre os que são ou não importantes socialmente, entre os que detém ou não as riquezas. Fazemos da desigualdade uma arma da violência e profunda opressão.


Se não bastasse a desigualdade, ainda somos massacrados pelas injustiças. Então a balança fica muito desequilibrada.
Quando as leis, as normas, os códigos, as doutrinas não conseguem impor seus freios e contrapesos às desigualdades, é sinal de que nossa esperança sucumbiu.
A quem recorrer se a justiça humana nos falta?
Se a venda da imparcialidade do juízo impede a
justiça de agir na justa defesa dos homens, a quem recorrer?
Qualquer um entende a prática da desigualdade no seu cotidiano.


A injustiça não. A injustiça tem um traço próprio, porque é fundamental entender de justiça

Para contrariá-la. Por isso, a sensação de desalento, de abandono, de orfandade. A injustiça nos diminui, nos encolhe diante do mundo, demonstrando toda a nossa impotência, em sermos autossuficientes para socorrer-se frente às mazelas. Para fazermos justiça precisamos que os outros se unam à nossa causa. Caminhamos então, num trilhar de desigualdade e injustiça.
Enquanto as desigualdades se agigantam diariamente, proliferando legiões e legiões de

desvalidos, as injustiças os abraçam sem a maior piedade.
Vejam as maiores tragédias que se abatem sobre o mundo e em nosso país como: o rompimento das barragens, as queimadas na

Amazônia e outras tantas tragédias, como o próprio autoritarismo de um governo fascista, que espalha o ódio e a violência entre a população. Não é sem razão essa sensação de cansaço doente, que se abate sobre todos. Trata-se de um cansaço de profunda desesperança, quando nos olhamos no espelho e enxergamos os efeitos destas barbáries.
Segundo o escritor português José Saramago:

“Mesmo que a rota da minha vida me conduza a uma estrela, nem por isso, fui dispensado de percorrer os caminhos do mundo. ”
Quem sabe, entre esta desilusão em que estamos mergulhados, não possa, não muito longe, surgir a esperança, de igualdade e justiça e sobretudo, democracia.

Osório, 04/08/2019.





 Comente este texto


Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: CWZd (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP sera enviado junto com a mensagem.