A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

Escritor ADhemyr Fortunatto
Publicações
Perfil
Comente este texto
 
Humor
 
A PROFECIA DO BEBÊ
Por: Escritor ADhemyr Fortunatto

PUBLICADO EM NOSSA COLUNA DO JR NOTÍCIAS, SÃO PAULO – SP, em 12.10.19.

Eis que passou algum tempo depois do nascimento daquele filhinho do Bodão, e aconteceu algo estranhíssimo! Os pais logo notaram que o bebê já não tinha mais dificuldade para falar! E um dia ele falou bem assim:
--- Eu vou viver apenas mais quatro dias!
Quem ouviu arregalou os olhos, de susto! E o bebê ainda avisou:
--- E minha mãe vai viver somente mais seis dias!
A esposa do Bodão se pôs a chorar! O Bodão estava trêmulo! E ficou então de olhos esbugalhados quando o bebê anunciou:
--- E meu pai vai viver somente mais quinze dias!
Espantadíssimo com aquilo, o Bodão procurou tudo que foi líderes religiosos; astrólogos; doutores da alma; doutores do corpo etc. Mas de nada adiantou! Decorridos exatos quatro dias o bebê morreu...
O Bodão começou a ficar com mais medo! Independente disso, não deu outra: mais dois dias, morreu a esposa do pobre Bodão!
Aí, apavorado, o Bodão pensou: Pronto! O próximo serei eu! Notou que decorrera seis dias de quando o bebê fizera as previsões. Ora, então, pensou o Bodão, só me faltam nove dias de vida! Ui...
Então ele decidiu aproveitar esses dias que lhe faltavam de vida. Pediu dinheiro emprestado pra tudo que foi amigos, parentes etc. Também, um empréstimo ao Banco. E demitiu-se da empresa em que trabalhava. Apesar da dor pelas perdas que tivera, saiu pela cidade, para viver, como disse a si mesmo. Mulheres, farras, bebidas etc.
Decorridos, pois, aqueles nove dias, o Bodão não morreu... Aí começou a se apavorar... Como vou pagar o Banco, como vou pagar o que pedi emprestado; pra quê fui pedir demissão do meu emprego?
Foi no dia seguinte que soube da notícia de que um vizinho, muito amiguinho da sua finada esposa, morrera no dia anterior...
O Bodão, vivinho da silva, passou a mão na cabeça. Chorou. Não pelo vizinho. Mas por si mesmo. E, entre lágrimas, resmungou: Puxa; tô ferrado: além de corno, ainda falido...

Por Escritor ADhemyr Fortunatto
Autor do livro de humor, AS AVENTURAS DO BODÃO. Adquira-o em e-book, em várias plataformas.

 Comente este texto


Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: IVaR (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP sera enviado junto com a mensagem.