A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 
Crônica
 
Cordilheiras
Por: Otávio Nunes

Pequena crônica baseada na música homônima de Paulo César Pinheiro e Sueli Costa, gravada por Simone, em 1979.


Quero ser o comandante que humilha seus soldados e elogia os farsantes e covardes. Levarei meus pelotões propositalmente, aos poucos, para enfrentar um inimigo dez vezes mais poderoso, até que o último de meus combatentes caia a meus pés, clamando piedade.

Pretendo usurpar o recém-nascido do colo da mãe, enquanto mama. Direi à pobre mulher que presto favor a ambos ao evitar um futuro incerto da criança, crescendo ao lado dela, e os aborrecimentos que traz um filho a quem o gerou.

Minha idéia é substituir a língua e a cultura deste povo infeliz por outras de uma sociedade bem distante, mais evoluída. Transformarei esta terra inútil numa colônia subserviente que abaixe a cabeça sempre que o dominador passar, sem pedir licença.

Submeterei os moços ao poder dos velhos. Farei com que a juventude se torne um exército de aflitos e errantes na vida.

Levarei a cabo experiência para adaptar os peixes à terra firme. Despovoarei lagos, rios e mares para provar que este seres aquáticos só irão evoluir quando deixar a água.

Quero ter a mesma sensação das cordilheiras ao desabar sua aridez e seu gelo sobre as flores inocentes e rasteiras que teimam em crescer nos desvãos da rocha. Irei me divertir com o desespero da presa nas garras do predador.

Pretendo apenas ser cruel e algoz, naturalmente. Descerei aos porões, ao mundo abissal. Pisarei no lodo e atravessarei pântanos. Quero descobrir onde o mal nasce e destruir sua nefasta semente.











 Comente este texto
 

Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: dFNc (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP sera enviado junto com a mensagem.