A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

 
Crônica
 
Nem que eu chore um oceano de lágrimas
Por: Marlene Nascimento

Presumo que pessoa benquista seja aquela que tenha muitos afilhados e eu, bem, eu não tenho afilhados.
Oriundos da estirpe de mamãe nascem nenêns de baciada. Clico há décadas, com os olhos saltando da cara, as gestações desses serezinhos lindos sonhando com um convite gentil de suas mãezinhas para eu amadrinhá-los. Os seis anos que fui casada com um bruega e mais de três décadas de descasada justificam a desprezada do texto.
Há mais de trinta anos, Marisa, minha irmã caçula, convidou-me para batizar o seu terceiro nenêm, mas por causa do padrinho beberrão, chegamos atrasados para o ritual do batismo católico, sendo que outro casal tomou o nosso lugar __ feliz da vida. Tal atraso foi fatal para os meus sonhos de amadrinhar uma criança, posto que me separei do beberrão logo após a tragédia do malogrado batismo.
Quando sei que tem algum nenêm à caminho nem busco saber quem será a madrinha eleita, porque se eu souber pulverizo a sortuda de tanta inveja que sinto.
Brevemente nascerão dois sobrinhos-netos. Buezando secretamente, coloquei-me, penetra, na fila de pretendentes à madrinha. Não consigo evitar tal pretensão mesmo sabendo que o problema de alguns sonhos é que eles são mesmo irrealizáveis, haja visto que mulher pobre, descasada de longevos invernos e escritora anônima assim como eu, não há de sonhar em competir com pretendentes para lá de ilustres, casadas com ilustríssimos senhores. Essa privilegiada condição social as coloca primeiras da fila e eu última, sem qualquer chance de vir a ser escolhida, devido ser a nossa sociedade, primitiva, discriminatória e preconceituosa.
Eis um sonho que sequer atrevo-me a sonhar; o de amadrinhar nenêns não parentes. Se a minha parentela, sangue do meu sangue aqui, ó, não se dá ao orgulho de convidar-me, imagineis outrens.
Quem lê me pergunte, por favor, se eu já fui convidada para ser madrinha de casamento, ou pior do melhor, pelosdeusesgloriosos, não pergunte. Madrinha de casamento... e nem vou escrever sobre a inveja que sinto de elas, assim evito buezar alto e bom som ou de mandar uma boa banana para certas noivas e suas madrinhas.
Exclamarão os inclementes: Bem, eu casei com um bruega qualquer porque... ora, não cabe dar explicação aqui; quero mesmo exaltar o preconceito exacerbado que singra no coração desumano.
O padrinho de batismo da minha filha caçula (agora com trinta e dois anos), certa vez disse-me que possuía vinte afilhados de menos de quinze anos e outros tantos com mais. Nossa, quanta honra! Também, há bem uns vinte anos um jogador de futebol, famoso nos cinco continentes, disse possuir mais de mil afilhados. God, agora ele deve ter uns dez mil! Ah, mais deixe estar! Jogador de futebol pensa com os pés, escritor com a cabeça. Aguarde-se apenas o tempo necessário de tornar-me ilustre também. Sei que dará assim, ó, de barrigudas implorando para que eu amadrinhe os seus nenêns fofinhos, mesmo sê matusalênica e ao lado de qualquer pândego posando de padrinho. Também há de dar assim, ó, de noivas bestas fazendo fila na minha porta, desesperadas para convidar a ilustríssima, excelentíssima e honorável escritora Marlene de Letícia (risos) para prestar-lhes honras madrinhais. E certeza tenho que as noivas prenhas implorarão ajoelhadas para que eu aceite o convite em dose dupla.
Deixo claríssimo que não aceitarei. Não mesmo! Nem que roa e morda-me de vontade. Nem que eu chore um oceano de lágrimas. Querem madrinhas ilustres? Vão buscar em Hollywood, ora pois!

 Comente este texto
 

Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: BJEf (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP sera enviado junto com a mensagem.