A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

 
Poesia
 
Catarse
Por: Marlene Nascimento

Um dia acordei mais mulher, fiz-me poeta.
Admirada, pincelei a fina sentimentalidade empírica dos versos.
Destoei, teimei, rasguei, rabisquei, dando formas ao fragor lírico do meu âmago.
Se canto, se rio, se choro, se amo, se penso, deveras vivo; se vivo, eu existo, se existo, sou. Desenho feliz o bailado de uma bela borboleta, plena de percepções.
Olho-me ao espelho e vejo o brilho da vida, apesar de ter sido obrigada a aceitar o ardor da dor inaudita.
Ainda assim não desistirei da felicidade de ser a mulher que sou.
Sou vida, como vida é a árvore que sustenta a hera, como vida é a água que hidrata a vida.
Fiz-me poeta e posso rimar versos mil.
Nada mais sou do que a soma surreal da minha insólita ancestralidade.

 Comente este texto


Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: BXeX (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP sera enviado junto com a mensagem.