A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

Antuérpio Pettersen Filho
Publicações
Perfil
Comente este texto
 
Jornalismo
 
POR QUÊ DEVEMOS APOIAR O IRÃ ???
Por: Antuérpio Pettersen Filho

CUPULA DE SEGURANÇA NUCLEAR: “POR QUÊ DEVEMOS APOIAR O IRÃ ???”

Por : Pettersen Filho

Cena já vista dantes, encontram-se reunidos em Washington/EUA, desde o ultimo dia 12, a pretexto de discutirem a Segurança Nuclear no Mundo, sob o nome pomposo de “Nuclear Security Summit”, 46 paises, Nucleares ou não, inclusive o Brasil, de menos os mais, reais, interessados na questão, Israel e Irã, quem, apontam seu arsenal, um para o outro.
Sem que se confesse, muito claramente, a preocupação única das gestões do Presidente Barack Obama, ponto central desse encontro, antes mesmo de que se trate, efetivamente, do controle de materiais físseis, passiveis ao advento de dispositivos nucleares, urânio, plutônio e etc, ou do monitoramento de supostos grupos terroristas, é, na verdade, o Irã, com seu Programa de Enriquecimento de Urânio, o alvo da tal “Cúpula” de Segurança Nuclear.
Pais rico em Petróleo, República Islâmica, cercado numa das regiões mais hostis do Planeta, recém disperto para a necessidade do desenvolvimento de “Políticas Atômicas”, que o retirem da retaguarda militar e do atraso, em pleno Oriente Médio, donde encontra-se encurralado num dilema, tanto geopolítico, como militar, ao deparar-se, na sua fronteira oeste, logo ali ao lado, com tropas da maior potência militar no Planeta, os EUA, no Iraque, em permanente vigília, além de contar com o ódio declarado do Estado de Israel, há poucas horas de vôo de uma esquadrilha de possíveis F-16, prestes a desferir um ataque surpresa contra as suas instalações, como mesmo o fizera, em passado recente, contra o Iraque, de Sadan Hussein, o Irã, por sua própria natureza, de Pais Islâmico, fruto de uma Revolução Popular e Teocrática que o retirou da órbita de influência dos EUA, em 1979, encontra-se encravado na borda de pelo menos três outras superpotências atômicas, na região: China, Índia e Rússia, quem, apesar de não morrerem de amores pelos EUA, diante da possibilidade de assistirem-nos, também, ocuparem o Irã, ficando, nessa eventualidade, a um passo de seus respectivos territórios, mas, face a terem bom bocado de seus territórios próprios ocupados por contingentes populacionais islâmicos, nutrem,também, motivos para não querer um Irã Forte, na região, sob pena de verem em risco suas integridades regionais, dando vazão a mais uma Potência, naqueles rincões do Planeta.
Uma das poucas vozes destoantes no “Encontro”, contudo, o Presidente Lula, enquanto uma Comitiva Comercial de Alto Nível acorre para o Irã, em busca de rentáveis acordos comerciais, incautamente, parecendo desconhecer os riscos de um possível embargo, apregoa, aparentemente, para uma “Multidão de Surdos” de que se deve “...negociar mais” com o Irã.
Talvez de olho em seu próprio “Terreiro”, ou Programa Nuclear, o Brasil, quem tem vedação constitucional, quanto ao uso da Energia Atômica para fins “Bélicos”, mas que, já, possui contratado um Submarino Nuclear com a França, sob risco de ver “Olhos Bisbilhoteiros”, também, por aqui, como no Irã, parece ter motivos próprios para não condenar o Irã, ou favorecer Israel, seu real inimigo.
Sentindo a pressão, justamente, Washington, nas ante salas da própria Cúpula, acaba de anunciar um Acordo de Cooperação Militar com o Brasil e a eventual, perigosa, compra de cerca de cem aviões Embraer T-29 para suas Forças Armadas, o que implica em acreditarmos na “Eventual” contrapartida brasileira de termos de comprar dos EUA outros cerca de 36 Boeing F-18 americanos, tecnologicamente falando, pondo fim ao nosso Programa de modernização da FAB, o dito “Programa FX”, e mandando os franceses, com seus Rafales, às favas.
Cooperação inexistente desde 1976, quando a Junta de Militares do Brasil, em plena ditadura, rompeu os históricos laços pós-guerra com Washington, justamente para preservar o, então, Acordo Nuclear Brasil/Alemanha, que possibilitou Angra II e III, parece que, mais de trinta anos depois, que iremos, novamente, como um “Gatinho Doméstico”, beber “Leite” na mesma, velha e enferrujada, “Tigelinha” Americana.
Será ???

 Comente este texto


Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: ReJX (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP sera enviado junto com a mensagem.