A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco | CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

ALESSANDRA LELES ROCHA
Publicações
Perfil
Comente este texto
 
Jornalismo
 
Conquistas e seus relativismos...
Por: ALESSANDRA LELES ROCHA




Não sei se fico feliz ou desapontada. A verdade é que nem todas as conquistas sociais no fundo traduzem-se plenamente como conquistas, esse é o caso da Lei n.º 13.146, de 06 de julho de 2015, mais conhecida como “Estatuto da Pessoa com Deficiência” 1. Se por um lado os gestores públicos e os representantes do povo se predispõem a discutir e normatizar as questões relativas ao universo das pessoas com deficiência no país, dando-lhes certa visibilidade social; por outro, a verdade é que os direitos e deveres de quaisquer cidadãos são inerentes ao cumprimento da Constituição Federal de 1988, a qual determina expressamente que “Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza” 2.

Essa realidade que descumpre o Princípio da Igualdade e obriga a cada cidadão hastear a sua própria bandeira para que possa ser atendido nas suas demandas é ardilosamente perversa. Na história de “cada um por si e Deus por todos”, em que cada um faz força para um lado, a resultante dos vetores se anula e ninguém de fato recebe o que merece ou necessita. Enquanto labutam em suas lutas legítimas, o Estado brasileiro ‘senta e espera’ o desfecho para se pronunciar; o que, quase sempre, resulta em migalhas dadas sem nenhuma boa vontade.

A verdade é que os direitos básicos e humanos estão longe de atender ao mínimo necessário a qualquer cidadão brasileiro. Todos carecem de uma educação pública de qualidade. De uma saúde. De um transporte. De Segurança. ...Porque todos, com ou sem deficiência, são pagadores de impostos, trabalhadores que contribuem para o desenvolvimento do país. Então, como disse, a instituição da lei nos alegra e nos anima; mas, não é tudo. À teoria bem escrita no papel falta o poder de materializar-se no mundo real. Sem contar que, como diz o provérbio, “quem conta um conto aumenta um ponto”; ou seja, a interpretação das palavras depende dos olhos de quem as leem. Há toda uma subjetividade interpretativa nos meandros do direito e, porque não dizer, da própria sociedade.

Não, não é uma questão burocrática que simplesmente explica esse não fazer, ou esse não ‘entender’. Afinal, muito do que está ali no papel poderia facilmente ser posto em prática pela motivação do próprio bom senso, do próprio espírito humanitário e fraterno que habita em cada um de nós. No fundo, talvez seja a nossa visão ‘seletiva’, para não dizer egoísta, que nos impede de enxergar o mundo ao invés de apenas vê-lo. Leis, códigos, doutrinas, jurisprudências... são fundamentais como freios e contrapesos para uma sociedade que ainda se debate e rejeita o fato de coexistir; mas, pouco relevantes se não há vontade pura de mudar. Se nem as piores verdades da vida não são capazes de sensibilizar os seres humanos, o que dizer de palavras em folhas de papel?

O chamado “mundo melhor”, igualitário, justo, ideal,... dependeria de uma dose de sacrifícios, de generosidade, de simplicidade, de um amor que nem todos estão dispostos a ofertar. E quando esses pensamentos me veem à mente não posso deixar de me lembrar do filme O Pianista, de 2002, baseado na autobiografia de mesmo nome, escrita pelo músico Polaco Władysław Szpilman. Naquelas duas horas e trinta minutos está um recorte profundamente reflexivo do bom e do mau presente no ser humano, ou seja, em nós. É um duro golpe da verdade, da vida como ela é (ou pode ficar quando menos se espera); um soco na boca do estômago para acordar qualquer um da indiferença, incapaz de não promover uma lágrima sequer no mais cético dos seres humanos. Então, assista... uma, duas, dez, quantas vezes forem necessárias para você compreender o que estou tentando lhe dizer. Se isso, ainda for insuficiente, peço que ligue agora a TV, ou o computador, ou abra o jornal do dia; pois, de um jeito ou de outro, você encontrará ali elementos suficientes para romper com seu casulo alienadamente blasé.



1 http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13146.htm
2 artigo 5º - Constituição Federal de 1988.

Comente este texto

 

Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: TfeK (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.