Seleção de Livros! Clique e confira.

A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco | CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

ANTONIO PAIVA RODRIGUES
Publicações
Perfil
Comente este texto
 
Jornalismo
 
A TRÁGICA POLÍTICA BRASILEIRA
Por: ANTONIO PAIVA RODRIGUES

A TRÁGICA POLÍTICA BRASILEIRA

“Haja o que houver, adianta-te e faze o melhor que possas. Recorda que é preciso semear o bem por dentro de nós e por fora de nós, onde estivermos de vez que, nessas diretrizes, o bem se nos fará alegria e paz, coragem e esperança nas áreas de cada hora”. (Chico Xavier).

“As boas obras nascem do amor temperado pelo sofrimento, por isso serve e medita. É possível que a Divina Providência haja permitido a tua queda em erro para que aprendas a tolerar e perdoar”. Tolerar significa aceitar, suportar com resignação, sem reclamar (tolerei o insuportável), consentir; não impor obstáculos; aceitar facilmente. Exemplo: “O chefe tolerava os atrasos do funcionário”. Permitir; aceitar legalmente a prática de cultos que não fazem parte da religião instituída pelo Estado; ele não consegue tolerar outras religiões. Na medicina ser capaz de suportar (o doente não tolerou o tratamento); cicranos e beltranos não se toleram. Os mais fortes e mais usados significados são: aguentar, sujeitar, transigir, suportar, sofrer, consentir, acatar, permitir e aceitar.

Uma palavra de etimologia latina tolerare. Admiráveis são todos os seres hominais nobres e retos que militam com grandeza na causa do bem, entretanto, não menos admiráveis são todos aqueles que se reconhecem frágeis e imperfeitos, caindo e erguendo-se muitas vezes nas trilhas da existência sob críticas e censuras, mas sempre resistindo à tentação do desânimo, sem desistirem de trabalhar. Dentro desse cenário existem muitos tipos de homens, os nobres, os retos, os frágeis, apesar da condição de cada todos são considerados imperfeitos, pois estão sujeitos e acertos e erros. Não existe um só ser perfeito no orbe terrestre, principalmente quando se fala em política essa conotação se torna mais forte e as nuanças negativas surgem rápidas e, na maioria das vezes tem conotação gravíssima. Passamos por momentos de grande repercussão política, econômica onde o vetor da corrupção tem pontos negativos, pois está destruindo por completo a nossa economia e enfraquecendo a grande nação brasileira.

Corrupção deriva do latim corruptus, que significa quebrado em pedaços. O verbo corromper significa “tornar pútrido”. A corrupção pode ser definida como utilização do poder para conseguir obter vantagens e fazer uso do dinheiro público para o seu próprio interesse, de um integrante da família ou amigo. A corrupção é crime. Quando o governo não tem transparência em sua administração é mais provável que haja ou que incentive essa prática, não existe país com corrupção zero, embora os países ricos democráticos tenham menos corrupção, porque sua população é mais esclarecida acerca de seus direitos, sendo assim mais difíceis de enganar. Vejam: “A chapa esquentou”. Em depoimento, o empreiteiro Marcelo Odebrecht revela: “A campanha Dilma-Temer de 2014 foi financiada com caixa-dois”.

O Partido dos Trabalhadores (PT), sozinho, levou 150 milhões de reais na eleição de 2014. Os dez milhões de reais do Jaburu foram um “extra” para o PMDB. O juiz Sérgio Moro defende as prisões preventivas e atribui às críticas a existência de “presos ilustres”. O presidente Michel Temer finalmente conseguiu um modo de estancar a sangria em seu governo. A Liga Independente das Escolas de Samba do Rio de Janeiro ganhou uma assessoria especial na Presidência. Espera-se que agora nenhum ministro caia, já que a Liesa segurou todas as escolas no Grupo Especial, mesmo após acidentes no desfile que feriram trinta pessoas. Temer já passara cola Super Bonder na cadeira dos ministros mais chegados, mas eles estavam reclamando da gosma. Foliões sugeriram que a Liesa também passe a construir todos os carros alegóricos. Assim, nenhum deles cairá também. Dilma lamentou não ter contratado a Liesa antes. (Humor minha gente para desopilar).

“Não sou candidato à Presidência, não sou candidato ao governo do estado, fui eleito para ser prefeito”. (João Dória, prefeito de São Paulo). “Judiciário não é ambiente para você fazer biografia individual. Biografia se faz em política”. (Nelson Jobim, ex-presidente do STF e ex-ministro da Defesa, ao classificar como “espetacularização” certas condutas de integrantes da Lava Jato, em o Estado de São Paulo). A Chapa Esquentou: Marcelo Odebrecht confirma que deu 10 milhões de reais ao PMDB por meio do “departamento de propina” da empreiteira, e onde saíram também nada menos que 150 milhões de reais para o Partido dos trabalhadores (PT). O dinheiro da propina teve um esquema de distribuição, sendo um oficial e outro clandestino.

Distribuição oficial: O PMDB registrou na Justiça federal uma doação de 11,3 milhões de reais da Odebrecht ao diretório nacional do partido em 2014. O dinheiro ficou sob os cuidados dos principais caciques regionais. Henrique Alves (RN) R$ 5, 5 milhões; Jader Barbalho (PA) R$ 1,2 milhão; Valdir Haupp (RO) R$ 1,2 milhão; Renan Calheiros (AL) R$ 1,2 milhão; Eduardo Braga R$ 1,2 milhão; Romero Jucá (RR) R$ 1 milhão. Distribuição Clandestina: R$ 10 milhões de reais a pedido do então vice-presidente Michel Temer, só que de maneira clandestina, contabilizada no “Departamento de Propina” da empreiteira. Eliseu Padilha R$ 4 milhões de reais – O dinheiro foi rateado entre o ministro, o ex-deputado Eduardo Cunha (1 milhão de reais) e José Yunes, amigo e ex- assessor do presidente Temer. Paulo Skaf – R$ 6 milhões de reais (parte desse valor usada para pagar ao publicitário Duda Mendonça).

Estão no rol das propinas também: Antonio Palocci, Guido Mantega, João Santana, Duda Mendonça e Aécio Neves. Em seu acordo de delação, Cláudio Melo Filho, ex-executivo da Odebrecht, disse que a doação de R4 10 milhões de reais, feita via caixa dois, foi solicitada “direta e pessoalmente” pelo presidente Michel temer. “Eu participei de um jantar no Palácio Jaburu juntamente com Marcelo Odebrecht, Michel Temer e Eliseu Padilha”. Michel Temer solicitou direta e pessoalmente para Marcelo apoio financeiro para as campanhas do PNDB no ano de 2014. No jantar, acredito que considerando a importância do PMDB e a condição de possuir Vice-Presidente da República como presidente do referido partido político, Marcelo Odebrecht definiu que seria feito pagamento no valor de R$ 10 milhões de reais {...}.

Dizem que houve contradição no depoimento Cláudio Melo Filho. No ano passado, a empresa de Marcelo Odebrecht admitiu “práticas impróprias” estava sendo modesta, pois saiu dinheiro até para as FARC (Força Armada Revolucionária da Colômbia). Por vinte anos, a Odebrecht pagou um pedágio mensal de até 100.000 dólares aos narcoguerrilheiros colombianos para tocar obras em áreas dominadas por eles. (Renato Onofre). As prisões da Lava Jato – As críticas às vezes severas contra as prisões preventivas da operação não encontram fundamentos nem na quantidade nem na extensão, e talvez porque, atrás das grades, há presos ilustres. “Se a firmeza que a dimensão dos crimes reclama não vier do Judiciário, não virá de nenhum lugar”. O pior dos detentos. Indócil, encrenqueiro e detestado pelos carcereiros, o ex-presidente da Câmara federal Eduardo Cunha preso no Paraná, herda o título que já foi de Nestor Cerveró. Mal comportado Cunha ficou isolado por cinco dias na cela como punição por recusar-se a fazer exame médico. Cerveró, agora solto, aos carcereiros, só deixou más lembranças.

Caso quase encerrado. A Justiça condena ex-tesoureiro do PT no episódio do pagamento a um chantagista que ameaçava fazer revelações sobre o assassinato do prefeito de santo André Celso Augusto Daniel (16/04/1951 – 20/01/2002). Descobriu-se o pagamento, mas não o que motivou. Delúbio participou da fraude que rendeu R$ 6 milhões de reais a Ronan. Nos trilhos, mas em marcha lenta. A retomada na economia será vagarosa, por causa do excesso de dívidas. Á queda nas taxas de juros, porém, deverá ajudar. (Fonte: Revista Veja). Com a morte de Teori Zavaschi (1948-2017) perde o País, o Judiciário e a Lava Jato. A trágica morte do ministro cria um desafio: como manter o vigor das investigações conta a corrupção mais: a fabulosa máquina de fabricar conspirações. O pior de tudo é que ainda não tomamos conhecimento do resultado do inquérito que apua as causas da queda da aeronave.

Alguns tipos de corrupção: Aceitar e solicitar recursos financeiros para obter um determinado serviço público, retirada de multas ou em licitações favorecer determinada empresa. Desviar verbas públicas, dinheiro destinado para um fim público e canalizado para as pessoas responsáveis pela obra. Até mesmo desviar recursos de um condomínio. A corrupção é presente (em maior evidência) em países não democráticos e de terceiro mundo. Essa prática infelizmente está presente nas três esferas do poder (legislativo executivo e judiciário). O uso do cargo ou da posição para obter qualquer tipo de vantagem é denominado de tráfico de influência. Toda sociedade corrupta sacrifica a camada pobre, que depende puramente dos serviços públicos, mas fica difícil suprir todas as necessidades sociais (infraestrutura, saúde, educação, previdência etc.) se os recursos são divididos com a área natural de atendimento público e com os traficantes de influência (os corruptos).

Quando o governo não tem transparência em sua administração é mais provável que haja ou que incentive essa prática, não existe país com corrupção zero, embora os países ricos democráticos tenham menos corrupção, porque sua população é mais esclarecida acerca dos seus direitos, sendo assim mais difíceis de enganar. Atualmente existe uma organização internacional que tem como finalidade desenvolver pesquisas nos países para “medir” o nível de corrupção. (Fonte: http://mundoeducacao.bol.uol.com.br). A partir da pesquisa é feita uma classificação de acordo com a nota que vai de 0 a 10. Alguns dados revelam que o primeiro lugar com nota 9,7, que corresponde à margem de confiança, é a Finlândia; e o Brasil ocupa 54° com nota 3,9, margem de confiança 37-41%. Quando exterminaremos esse câncer de nosso País? Queríamos saber. Pense nisso!

ANTONIO PAIVA RODRIGUES- MEMBRO DA ACI- DA ACE- DA UBT- JORNALISTA- MEMBRO DA ALOMERCE E DO PORTAL CEN.

Comente este texto

 

Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: UWTc (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.