A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco | CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

JOSE ROBERTO TAKEO ICHIHARA
Publicações
Perfil
Comente este texto
 
Jornalismo
 
Desconstrução com reconstrução
Por: JOSE ROBERTO TAKEO ICHIHARA

O bem e o mal de cada um


Os últimos momentos de um ano que se encerra podem significar muito mais do que a simples mudança cronológica. É uma oportunidade de avaliar o que realizamos, assim como o que deixamos de fazer. Claro que isso deveria ser feito ao longo do ano, mas nem sempre conseguimos executar o que é indispensável – desculpas não faltam para justificar. Paciência! Nessas horas, apesar de muitos acharem que pouco adianta, nos daremos uma chance de repensar todas as metas malsucedidas e tocar a vida para frente. Por que não manter o foco?
Quem acha que tudo que pretendemos na vida fatalmente ocorrerá é um sério candidato a viver frustrado e insatisfeito. Qual é o demérito em desconstruir algo que não deu certo, para reconstruir o que nos tornará melhor como pessoa dentro de um grupo social? Ao contrário da edificação física, a vida pode ser reconstruída sobre escombros sem comprometer a segurança alheia. Por isso a sobrevivência e a disposição para recomeçar são fundamentais para quem já sentiu na pele as cruéis adversidades que conhecemos neste mundo. A vida sempre vale a pena!
Sabe-se que o ano que ora agoniza foi muito tumultuado para os brasileiros. Além de conviver com os velhos problemas não resolvidos – educação, saúde, segurança e Justiça -, houve uma enxurrada de medidas que, na opinião da maioria, só vieram para dificultar a vida dos mais necessitados. Os efeitos imediatos são visivelmente observados na rede pública de serviços indispensáveis, enquanto as autoridades, quando não se digladiam publicamente, tentam convencer a população que estamos no rumo certo. Seremos o caso para um estudo no futuro?
Mas o mundo não se resume ao nosso país. Voltando os olhos para outras regiões, vemos como a atitude humana, independentemente da razão, coloca em risco a segurança de todos no planeta. Talvez por caprichos pessoais, os líderes dos Estados Unidos e da Coreia do Norte se provocam, demonstrando o poder do arsenal bélico, ameaçando uma troca de tiros à distância. O que acontecerá se o equilíbrio emocional de um deles sair do controle? Será que eles estão querendo renovar os estoques de brinquedinhos mortais? Os prazos de validade estão vencendo?
A nossa mídia exibiu os preparativos para a famosa virada do ano em Copacabana, no Rio de Janeiro. Falou-se em 50 toneladas de fogos de artifícios, no forte esquema de segurança, nos milhares de turistas, vindo de todos os lugares do Brasil e do mundo, além dos artistas que se apresentarão nos palcos montados. Com certeza o espetáculo será inesquecível. Mas nem todos concordam com tanta gastança numa cidade carente de itens básicos para a população. Alguns até consideram isso uma agressão contra os vários servidores públicos com salários atrasados.
Infelizmente o mundo capitalista está pouco ligando para quem não pode desfrutar da passagem de ano com alegria e decência. Os gerentes de hotéis, na Cidade Maravilhosa, riem de orelha a orelha por causa da alta taxa de ocupação. A organização do evento só vê os benefícios que a despesa com a queima de fogos traz para a cidade, por causa dos gastos dos turistas – enfim, é um recurso aplicado que vai gerar muito dinheiro para o caixa da cidade. Claro que todos sentem muitíssimo a falta de pagamento dos excluídos que não receberam seus salários, mas...
Quantos terão motivos para comemorar, com ansiedade, a contagem regressiva que anunciará a chegada de 2018? Utopias à parte, mas se houvesse um esforço coletivo para amenizar o sofrimento e a humilhação de tantos semelhantes diante da indiferença da maioria, uma espécie de desconstrução para iniciar a reconstrução, o mundo ganharia toneladas de motivos para exibir um espetáculo pirotécnico digno de ser admirado e aplaudido por todos. Enquanto isso não acontece de forma global, valorizamos os poucos que o fazem. Feliz Ano-Novo!


J R Ichihara
31/12/2017

Comente este texto

 

Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: EfSd (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.