Paralerepensar - Texto

Seleção de Livros! Clique e confira.

A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco | CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 

E-mail:
Senha
       
        Cadastre-se
Esqueci minha senha
Homepage
Pensadores
Lazer e informação
Citações
Textos Fantásticos
Poemando
Provérbios
Estatuto do poeta
Peão diz cada uma!
Bíblicos
Contos e poemas de Natal
Básico de violão
Livrarias
Informática
Artes
Jornais
Revistas
Música
Televisão
Infantil

MUSIPOEMA

MUSIPOEMA
A HISTÓRIA DO ROCK IN ROLL
SER MÃE
AMIGO É...
AMAR É...
 

 

Busca

 
 
 

 

ALESSANDRA LELES ROCHA
Publicações
Perfil
Comente este texto

 
Jornalismo
 
Esticando a corda...
Por: ALESSANDRA LELES ROCHA




Vivemos tempos em que as pessoas não medem esforços para testar os limites do outro. Esticando uma corda até vê-la se partir com satisfação. E os que fazem isso, certamente encontrarão quem os submeterá a mesma prática, sem o mínimo de cerimônia ou piedade.
Dentro e fora do nosso pequeno mundinho essa realidade se dissemina e aponta para uma das mais importantes razões de adoecimento populacional. As conjunturas do cotidiano por si só são repletas de desafios, atribuições, etc.etc.etc. e, por isso, não deveriam ser acrescidas de comportamentos desnecessários, cruéis e perversos, de pessoas que têm problemas com a sua percepção social e precisam se reafirmar sob pilares de arrogância, de prepotência, de narcisismo...
Especialistas na área de recursos humanos e psicologia, já perceberam que um profissional saudável, satisfeito no ambiente de trabalho, produz muito mais, ou em termos qualitativos um melhor relacionamento, atendimento ao cliente, clareza mental e na comunicação, motivação e confiança, e em termos quantitativos a redução de desperdícios, cumprimento de metas e menores índices de acidentes de trabalho. Então, por que se age na contramão desse conhecimento?
Infelizmente, em cada círculo social existente o que se percebe é a opressão no limite mais alto. Pode-se dizer que há uma tendência de mecanização humana que extrai das pessoas as suas qualidades naturais e lhes impinge a execução de habilidades e capacidades próprias das máquinas. Nada de emoções. Nada de sentimentos. Esforço até o limite. Ora, mas se as máquinas se desgastam, o que dizer de uma estrutura tão delicada quanto o ser humano?
Aos que ainda não entenderam, o descanso é vital para o desenvolvimento. Aristóteles e seus contemporâneos, já compreendiam que o trabalho em excesso era um obstáculo ao pleno desenvolvimento intelectual. Afinal, o tempo livre é um tempo de autoanálise, para que as pessoas possam liberar o seu subconsciente e perceber a vida de forma mais realista e isenta. Mas, cada vez mais, poucos são os que podem se dar ao luxo desse “ócio criativo”.
A princípio eu pensava se tratar de uma obsessão calcada nos resquícios do ideário Fordista da Revolução Industrial, principalmente no que dizia respeito a extrair o máximo da mão de obra de cada trabalhador; mas, com o tempo, percebi que a relação de poder de uns sobre outros é o fator preponderante nessa questão. Assim, segundo Michel Foucault (1999) 1, o poder está em toda parte; não porque englobe tudo, e sim, porque provém de todos os lugares. E se há poder, a resistência a ele também existe e se configura como um grito do descontentamento, um exercício da liberdade.
A grande questão é que nem sempre a resistência obtém êxito, e quanto mais se estabelece o acirramento dessas forças, mais se consolidam os prejuízos no campo do desenvolvimento social. Por isso é tão fácil perceber como essa instituição de autoridade e obediência massacra a capacidade de construção de uma sociedade livre, criativa, saudável, rica em habilidades e competências.
No fundo, a verdade é que grande parte desse “poder” é tão somente uma Síndrome do Pequeno Poder, ou seja, alguém que por meio de atitudes opressoras diante de um poder adquirido (ou não), utiliza-o de modo autoritário, mostrando a total escassez de equilíbrio e bom senso, abusando dos limites da autoridade. Assim, com tantos “novos tiranos” se revestindo dela, em muito pouco tempo serão muitos “caciques” para nenhum “índio”.


1 FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade: curso no Collège de France (1975/1976). Tradução de Maria Ermantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

Comente este texto

 

Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: UFHE (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.