Seleção de Livros! Clique e confira.

A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco | CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 

E-mail:
Senha
       
        Cadastre-se
Esqueci minha senha
Homepage
Pensadores
Lazer e informação
Citações
Textos Fantásticos
Poemando
Provérbios
Estatuto do poeta
Peão diz cada uma!
Bíblicos
Contos e poemas de Natal
Básico de violão
Livrarias
Informática
Artes
Jornais
Revistas
Música
Televisão
Infantil

MUSIPOEMA

MUSIPOEMA
A HISTÓRIA DO ROCK IN ROLL
SER MÃE
AMIGO É...
AMAR É...
 

 

Busca

 
 
 

 

ALESSANDRA LELES ROCHA
Publicações
Perfil
Comente este texto
 
Jornalismo
 
NÃO PERTURBE!
Por: ALESSANDRA LELES ROCHA




A maioria das pessoas só se lembra do crescimento populacional quando as estatísticas são divulgadas pelos veículos de informação. Mas isso é uma pena, porque esse “não pensar a respeito” cria diversos obstáculos para nossa compreensão cotidiana, especialmente em relação aos comportamentos sociais.
Diante dos números não há como contestar. Somos muitos, milhões, bilhões de pessoas sobre a Terra a disputar espaço em todos os sentidos. Justamente por isso, temos vivido amontoados uns sobre os outros, em verdadeiros “pombais” humanos, cujas áreas cada vez menores são planejadas para abrigar um número de pessoas incompatível; afinal, aquele espaço há de abrigar gente, pets, móveis, utensílios etc.; portanto, a chance de nos sentirmos como “sardinhas em lata” é imensa.
Na verdade, mais um reflexo da propaganda moderna sobre “o bom, bonito e barato” que inebria as mentes e dificulta a reflexão real sobre os fatos. Então, ao adquirirem o seu “lar”, as pessoas iniciam uma saga de coexistência com seus pares, nem sempre muito sensata e cordial.
A começar pelo fato de que os espaços pequenos demandam, ainda mais, a aplicação das chamadas “regras da boa convivência” tão esquecidas na modernidade e, as quais precisam urgentemente voltar ao centro das atenções. Isso porque, não bastasse a limitação de área disponível para viver, em nome da otimização de recursos e tempo as edificações são cada vez mais estruturadas de maneira menos preocupada com a acessibilidade1 e o conforto acústico2, por exemplo.
Alguns atribuem esse conjunto de displicências/negligências ao fato de que a população tem passado menos tempo em casa, o que não é uma justificativa consistente. Se pensarmos nas grandes distâncias percorridas pela população nos centros urbanos, no volume de atividades a serem cumpridas diariamente, os níveis de stress ao qual o ser humano tem sido submetido, tudo isso faz com que ele deseje mais e mais um ambiente tranquilo e confortável para repor as energias.
É nesse ponto que a questão das “regras da boa convivência” começa a emergir. Primeiro, porque a natureza humana traz consigo um senso de liberdade e espaço que diante dessa nova realidade precisa reaprender a se posicionar frente às limitações. É um tal de esbarra daqui, derruba dali, tropeça, deixa cair,... a qualquer hora do dia ou da noite; afinal, tudo isso acaba sendo um movimento inconsciente em busca dessa adaptação. Mas precisamos entender que isso tende a acontecer não apenas em um lar; mas, em vários, simultaneamente e todos os dias.
Não é à toa que esse tipo de comportamento é regulado juridicamente tanto pelo artigo 42, do Decreto Lei n.º 3888/1941 3 quanto o artigo 1227 do Código Civil (2002) 4. Inclusive, ao contrário do que muitas pessoas imaginam, barulhos exagerados em qualquer hora do dia ou da noite podem ser enquadrados dentro dessas normas.
O senso de liberdade, de individualidade que tem vigorado na modernidade parece manifestar uma outorga de desigualdade entre as pessoas, como se uns fossem mais ou menos importantes; o que não é absolutamente verdade. O ordenamento jurídico é claro nesse sentido e visa, justamente, recobrar a razão daqueles que ainda insistem em perturbar a ordem.
Por um minuto pare e pense se você gostaria de passar horas ouvindo o latido ininterrupto de um cachorro, ou o toc-toc-toc dos sapatos dos vizinhos no andar de cima, ou a música no último volume porque a pessoa decidiu curar as mágoas durante a madrugada, ou o arrastar de móveis de um lado para outro, ou a furadeira e o martelo que não tem descanso, ou a falação fora de hora,... Sem contar outras perturbações, de ordem menos ruidosa, tais como ter a fumaça da churrasqueira alheia invadindo e amanteigando os seus móveis, ou encontrar o lixo alheio na sua porta, ou alguém ocupando a sua vaga na garagem sem consentimento prévio, enfim...
Como disse Rubem Alves, “Não é bastante ter ouvidos para ouvir o que é dito. É preciso que haja silêncio dentro da alma”. O mundo já vive em constante agitação, independentemente da nossa vontade, e isso além de repercutir no adoecimento do corpo e da alma, por meio das sucessivas usurpações de direito que assistimos diariamente, nos impede o silêncio da alma para refletir e compreender. Estamos, inclusive, desaprendendo a ouvir, a nos comunicar adequadamente. Vivemos como o Sr. Coelho, da história de Alice no País das Maravilhas 5, em constante pressa sem ao menos saber, exatamente, por que.
O fato de termos que dividir espaços cada vez menores entre mais pessoas exige-nos, portanto, uma postura muito mais humanizada e responsável. Especialmente, se pensarmos que o envelhecimento da sociedade já é uma realidade presente em diversos países, incluindo o Brasil, o que conduz a uma significativa preocupação sobre a capacidade de se enfrentar os desafios associados à mudança demográfica.
Portanto, viva; mas, não perturbe, não incomode os outros com sua excessiva necessidade de autoafirmação. Você não está sozinho e todos aqueles que precisam saber, já sabem que você existe. Além disso, o rodopiar do mundo ensina que se você perturba hoje, certamente será perturbado amanhã; então, dê o primeiro passo para quebrar essa corrente.


________________________________________

1 http://www.unoesc.edu.br/atendimento/definicao
2 https://www.portaleducacao.com.br/conteudo/artigos/medicina/o-conforto-acustico/52904
3 http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del3688.htm
4 http://www.planalto.gov.br/CCivil_03/leis/2002/L10406.htm
5 http://www.ebooksbrasil.org/eLibris/alicep.htm

Comente este texto

 

Comentário ()

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: IKba (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.