Seleção de Livros! Clique e confira.

A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco | CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 

E-mail:
Senha
       
        Cadastre-se
Esqueci minha senha
Homepage
Pensadores
Lazer e informação
Citações
Textos Fantásticos
Poemando
Provérbios
Estatuto do poeta
Peão diz cada uma!
Bíblicos
Contos e poemas de Natal
Básico de violão
Livrarias
Informática
Artes
Jornais
Revistas
Música
Televisão
Infantil

MUSIPOEMA

MUSIPOEMA
A HISTÓRIA DO ROCK IN ROLL
SER MÃE
AMIGO É...
AMAR É...
 

 

Busca

 
 
 
Jornalismo
 
QUAL A FUNÇÃO DO MORO?
Por: Afonso e Silva

Afinal, o Moro é um juiz ou um cabo eleitoral? A divulgação indiscriminada feita pela grande mídia de trechos da delação premiada de Antônio Pallocci contra Lula e o PT, autorizadas por ele, a 6 dias da eleição, embora não passem de notícias requentadas, tem objetivos políticos bem claros. Primeiro reedita a demonstração do ódio mortal que o juiz do PSDB nutre por Lula em particular, pelo PT e toda a esquerda em geral. O paladino da justiça da república de Curitiba, em mais esse episódio chulo, demonstra seu lado e age despudoradamente como cabo-eleitoral de Bolsonaro, já que as chances de seus candidatos preferidos, Álvaro Dias e Alckmin, são remotas. Pelo que o juiz já demonstrou em ocasiões anteriores, o ódio que tem de Lula, do qual se alimenta diariamente e compartilha com os brasileiros via a grande mídia, especialmente a Globo, é capaz de qualquer coisa. Moro faz o que bem quer, desrespeita leis e determinações superiores apenas para aparecer nas manchetes. Pior é que nada lhe acontece.

Pelos acontecimentos que se sucedem, dá a entender que Curitiba vendeu o Brasil para os Estados Unidos. O primeiro sinal surgiu com o pirraçar de Aécio contra mais uma derrota da direita imposta pelo PT, em 2014. Depois veio o golpe jurídico-parlamentar-mediático de Dilma. Em seguida a direita, - tendo a frente Temer, o pau mandado - construiu-se a pinguela para o passado. A partir daí começou o desmonte do Brasil tão desejado pelas direitas nacional e internacional. As primeiras ações foram articuladas e concebidas após um vai-e-vem de Moro aos Estados Unidos. Dessas idas e vindas creio ter surgido o documento escrito a várias mãos, que intitulo de a “Cartilha Moro-TioSan”. Nela estão as determinações que os Estados Unidos impuseram ao Brasil. Entre outras, destaco algumas que se tornam mais claras de identificá-las, quais sejam: a primeira delas foi interromper o projeto social brasileiro, concebido e iniciado no governo Lula e seguido por Dilma que é, hoje, programa-matriz considerado sucesso internacional. A segunda foi o desmontar da vigorosa e crescente indústria brasileira que estava concorrendo de igual para igual com as multinacionais americanas. A terceira foi o desfazer, a preços vis, das riquezas naturais e das empresas estatais estratégicas e lucrativas brasileiras. A quarta foi atrair investimentos estrangeiros através da precarização das relações de trabalho, da dificultação para a aposentadoria, da desregulamentação das leis trabalhistas, da destruição das lideranças de esquerda e impedir o surgimento de novas. Essa talvez seja a mais importante para que as primeiras sejam levadas a termo.

Evidentemente para que a “Cartilha Moro-TioSan” se torne exequível necessário se faz a) contar com o apoio incondicional da mídia, - principalmente a Globo -, o que é relativamente fácil, pois essa continuará dominando o mercado e praticando a sonegação fiscal como sempre ocorreu. O abastecimento das manchetes diárias para atacar a esquerda ficou sob a responsabilidade da dupla Moro-Dallagnol. Toda vez que aparece uma notícia negativa contra a direita, provocada por ela mesma, Curitiba fabrica outras tantas contra a esquerda; b) aproveitar a visão de águia da justiça brasileira, associada à cegueira dos juízes para a direita fazer o que bem quiser. Tanto que um militar já se faz integrar à equipe do presidente do Supremo, evidentemente para manter vigilância diuturna dos passos da corte, enxergar pelos ministros e fazê-los cumprir as determinações imputadas ao Brasil. A primeira demonstração disso foi a recente declaração do presidente Toffoli de que “1964 foi um movimento e não um golpe”. Certamente essa foi a primeira determinação de seu assessor militar; c) com o apoio incondicional dos militares nacionais e, se necessário como sempre ocorre nessas situações, dos militares norte-americanos acompanhado de seus armamentos e logística.

Penso que os Estados Unidos não irá permitir que a esquerda volte a governar o Brasil, muito menos disseminar seus programas de cunho social vitorioso, pela América e pelo mundo afora. Intuo que Haddad poderá conquistar uma vitória retumbante através das urnas, mas daí a tomar posse... Só se Moro deixar! Sei não. Vamos esperar para ver.

Comente este texto

 

Comentário ()

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: ZXNZ (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.