A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 

E-mail:
Senha
       
        Cadastre-se
Esqueci minha senha
Homepage
Pensadores
Lazer e informação
Citações
Textos Fantásticos
Poemando
Provérbios
Estatuto do poeta
Peão diz cada uma!
Bíblicos
Contos e poemas de Natal
Básico de violão
Livrarias
Informática
Artes
Jornais
Revistas
Música
Televisão
Infantil

MUSIPOEMA

MUSIPOEMA
A HISTÓRIA DO ROCK IN ROLL
SER MÃE
AMIGO É...
AMAR É...
 

 

Busca

 
 
 

 

JOSE ROBERTO TAKEO ICHIHARA
Publicações
Perfil
Comente este texto
 
Jornalismo
 
Liquidação? Promoção? Queima de estoque? Não... Black Friday!
Por: JOSE ROBERTO TAKEO ICHIHARA

Pouco importa o nome se o cliente puder pagar


Os saudosistas foram vencidos pela modernidade, quem sabe pela americanização do mundo. Poucos ainda mantêm o uso de palavras há muito tempo fora de moda. Fast food sepultou a finada lanchonete; hora do rush acabou com o pico do trânsito; check in e check out aposentou de vez a entrada e saída em hotel. A lista é extensa, mas o comércio, através dos Shoppings Centers, adotou de vez os termos em inglês para mostrar que os tempos mudaram radicalmente. Off significa desconto. Chique, não? Black Friday acabou com a liquidação e com a promoção.
Sabe-se que a Língua Portuguesa é considerada de difícil entendimento, tanto falada quanto escrita. Mas será que num país onde a maioria sequer fala, lê e escreve corretamente o idioma pátrio, o adotado nas lojas é entendido pelas pessoas? O fato é que a população está pouco ligando para o emprego do termo, muito menos o que ele significa, porque o que interessa mesmo é a oferta de produtos com preços bem abaixo do normal. Basta anunciar nos meios de comunicação que a superlotação nos pontos de venda estará garantida. Virou uma febre!
De acordo com as fontes de pesquisas, o termo Black Friday surgiu na Filadélfia, Estados Unidos, em 1960, porque os policiais reclamavam da aglomeração e do aumento do trânsito por causa das compras do Natal, um dia após o feriado de Ação de Graças. Na verdade era uma gíria (sexta-feira negra) que eles empregavam para o tumulto gerado pelo movimento intenso dos compradores. As lojas, ao contrário, adoravam isso. Como na época as compras eram feitas diretamente nas lojas, pode-se imaginar o aumento na carga de trabalho dos policiais neste dia.
A ideia foi importada pelo Brasil em 2010, mas as vendas das 50 lojas que participaram só eram feitas virtualmente. Os registros da época informam que elas faturaram cerca de R$ 3 milhões com a promoção. Só que as compras físicas ganharam a preferência dos brasileiros e as filas que se formam nas frentes das lojas, antes mesmo de abrirem as portas, comprovam que isso é verdade. Portanto, é indiscutível que o aumento nas vendas, por causa deste dia, é a tábua de salvação para o comércio em geral. Tudo isso somente por causa do termo inglês adotado?
Mas quem pensou que o dia especial para adquirir produtos com preços convidativos se restringe a eletrodomésticos, produtos da linha branca, vestuário ou eletroeletrônicos em geral está redondamente equivocado. Serviços de hotelaria, restaurantes e empresas de transporte aéreo aderiram à ideia rapidamente. Da mesma forma que as imobiliárias e as concessionárias de veículos automotivos. Por que não? Afinal, venda significa faturamento, entrada de dinheiro na empresa que atua no ramo de atividade, sustentabilidade – as crises gerando oportunidades.
Infelizmente o desemprego gerado pela crise econômica, uma consequência direta da instabilidade política, não permite que a circulação de dinheiro aconteça como todos esperam. Até o injusto décimo terceiro salário, que nas palavras do vice-presidente eleito só sobrecarrega o empregador, faz girar a roda da economia no Brasil. Seguramente, apesar de não existir um estudo confiável, a maioria dos que recebem este benefício utiliza-o para fazer compras ou pagar dívidas. Portanto, é um dinheiro que volta para o mercado produtivo. Qual prejuízo isso causa ao país?
Fala-se que a extrema necessidade estimula a criatividade, em qualquer atividade da vida humana. O ato de comprar e vender é tão antigo como a História da Humanidade, portanto as mudanças ocorrerão mais na forma que no conteúdo. Grosso modo, isso é o que se fala atualmente que, obrigatoriamente, “a fila tem de andar”. Se há maior oferta que procura, forçosamente o preço cai; se falta dinheiro e crédito na praça, quem não abrir mão do lucro exagerado vai encalhar produtos no depósito. O nome da técnica de venda é o que menos importa.


J R Ichihara
24/111/2018

 Comente este texto

 

Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: QWKS (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.