A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco | CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

ALESSANDRA LELES ROCHA
Publicações
Perfil
Comente este texto
 
Jornalismo
 
10, 9, 8, 7, 6...
Por: ALESSANDRA LELES ROCHA




Lá se vão quase quatro décadas e a sensação que tenho é de que ainda aspiramos (ou esperamos) por “uma vida melhor no futuro”, a partir da percepção de quem vê “a vida por cima de um muro de hipocrisia que insiste em nos rodear” 1. Principalmente, nesse findar anual. O velho e roto hábito de postergar ao amanhã, fazendo “vista grossa” desde os sonhos mais singelos até a própria existência.
Mas, ao transferir as transformações ao destino, ao acaso, ao Ano Novo, ou “a quem possa interessar”, nos abstemos do nosso protagonismo na defesa de nossos próprios sonhos e convicções e nos mantemos assistindo ao festival de hipocrisias que continuam insistindo em nos rodear.
A grande questão é que essa nossa eterna abstenção não garante, de forma alguma, nos afastar dos incômodos sociais a que fomos expostos. Por detrás das aparências há sempre uma (in) consciência pulsante. Por isso, quanto mais ela dói, incomoda, desagrada,... mais aumenta a vontade de sair por aí desejando esperança por dias melhores, como se isso bastasse.
Pena que não basta. Romper o casulo, trocar de pele, rasgar a fantasia, no tocante ao mais profundo d’alma é isso que de fato encurta o caminho para esse futuro melhor. Arregaçar as mangas pra valer. Se posicionar diante da sua verdade e não a dos outros; pois, o futuro melhor começa no nosso próprio quintal. E isso me faz lembrar as palavras da escritora Chimamanda Ngozi Adichie, “a história sozinha cria estereótipos, e o problema com os estereótipos é que não é que eles não são verdadeiros, mas que eles são incompletos. Eles fazem uma história se tornar a única história”.
A sociedade atual parece um cachorro correndo atrás do próprio rabo; tentando se encaixar, se moldar a esse ou aquele padrão, ou interesse, ou ideologia. As pessoas parecem não pensar mais com a própria cabeça, como se entregues a um “efeito manada”; de modo que, gradativamente, um vazio existencial e comportamental começasse a lhes corroer. Há um desgaste físico e moral tão grande nessa “maratona” em busca da aceitação e do pertencimento social que elas estão cada vez mais doentes e desorientadas.
Se por um lado à tecnologia colocou cada um no seu casulo pessoal e intransferível, por outro, isso não impediu que esses bilhões de casulos passassem a coexistir se exibindo e imitando uns aos outros. Tudo em nome da opinião alheia e, então, de repente, o individualismo se massificou! Em uma relação de amor e ódio, os “Eus” se aplaudem e se estranham nesse rito social, fazendo a solidão ecoar sem limite e o singular ser de um pluralismo replicante sem precedentes.
E diante disso, penso que talvez a humanidade esteja, no fim das contas, mais a espera do que cultivando a própria esperança, ou seja, no aguardo vão, na passividade inerte, ao invés da confiança ativa de que algo bom e melhor possa acontecer a partir de si mesmo. Por isso, permita-se SER; segundo as palavras de Simone de Beauvoir, “mude a sua vida hoje. Não deixe para arriscar no futuro, aja agora, sem atrasos”.
Um mundo melhor, uma vida melhor, começa na perspectiva do seu olhar, do seu entendimento. Só você pode moldar o seu próprio barro, escrever a sua própria história. Não somos papel carbono. Não somos carimbos. 10, 9, 8, 7, 6...: “Hoje o tempo voa, amor / Escorre pelas mãos / Mesmo sem se sentir / Não há tempo que volte, amor / Vamos viver tudo que há pra viver / Vamos nos permitir" 2.



1 Tempos Modernos – Lulu Santos (1982). Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=MDkU8dYHCwk.
2 Idem.

Comente este texto

 

Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: IcWR (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.