A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

ODILON DE MATTOS FILHO
Publicações
Perfil
Comente este texto
 
Jornalismo
 
QUE DEUS NOS PROTEJA!
Por: ODILON DE MATTOS FILHO

É de conhecimento, até do mundo mineral, como diria Mino Carta que o carnaval é a mais importante expressão cultural e a festa mais popular do Brasil pela alegria, espontaneidade, diversão e por proporcionar, de maneira natural, um congraçamento entre as raças, seitas, etnias e gêneros.

O carnaval de 2019, como sempre, foi marcado pela alegria dos foliões Brasil afora e como acontece todo ano serviu, também, como pretexto para o brasileiro protestar, homenagear e prestar solidariedade. Foi o caso, por exemplo, de protestar contra o presidente Bolsonaro, render homenagens a saudosa ativista e vereadora Mariele e de prestar solidariedade ao presidente Lula com a hashtag #LulaLivre. É o exercício da liberdade de expressão na sua mais pura essência.

No entanto, nem tudo foi alegria neste carnaval, especialmente, pelas bandas da política já marcada pelo esfacelamento das instituições, pelos sentimentos de intransigência, ódio e intolerância e com a sistemática ameaça e desrespeito ao Estado Democrático de Direito.

Dentro deste contexto e como já esperado, o primeiro a exercer esses sentimentos e se debelar contra essa festa popular foi, exatamente, o presidente Jair Bolsonaro que como de costume não aceitou as críticas e os protestos contra a sua pessoa e patrocinou uma das cenas mais patetipa e dantesca que o país já viu e que certamente entrará para os anais da história como a maior baixaria que um presidente da república já praticou. Um claro desrespeito à liturgia e ao decoro do cargo que ocupa.

O presidente Bolsonaro, utilizando o seu twitter e agindo como se estivesse em campanha eleitoral, pinçou um vídeo escatológico no qual um gay introduz o seu próprio dedo no ânus enquanto outro homem urinava sobre a sua cabeça. Com esse vídeo Bolsonaro tentou associar essas imagens como se fossem uma prática corriqueira do carnaval de rua no Brasil. Junto com o vídeo o caudilho autoritário acrescentou: “Não me sinto confortável em mostrar, mas temos que expor a verdade para a população ter conhecimento e sempre tomar suas prioridades. É isso que tem virado muitos blocos de rua no carnaval brasileiro. Comentem e tirem as suas conclusões1”.

Ciente de que muitos cidadãos e aqui me incluo, entender que tais cenas ou performances foram descabidas e desnecessárias, não havia dúvida de que a repercussão seria enorme, talvez nem tanto pelas imagens, mas sim, por quem as postaram, tanto, que mais de setenta por cento dos comentários foram contra o presidente ter postado o vídeo em sua conta do twitter, pois, além de depor contra o carnaval do Brasil que é uma das atrações que mais dividendos financeiros trazem ao país, está longe, mas, muito longe de ser um assunto a ser tratado por um presidente da república. E o caso não ficou apenas no ambiente interno, a postagem ganhou manchete mundo afora. O jornal “New York Times” publicou: “O artigo que você está prestes a ler pertence a um vídeo com conteúdo sexual, publicado pelo presidente da quarta maior democracia do mundo”. Já o jornal “The Guardian” para a América Latina, disse que “alguém precisava tirar o celular do presidente2”.

Neste lamentável e degradante episódio, Bolsonaro lembrou Jânio Quadros que à época tentou regular o comportamento dos cidadãos durante o Carnaval sob o slogan: “Janio é a certeza de um Brasil moralizado”. Oito meses depois Jânio renunciou. Será que a história se repetirá? Tomara!

Depois deste e de outros fatos patrocinados pela figura caricata do presidente Bolsonaro, no quais ficam patentes o seu despreparo intelectual e emocional, não tardou muito para que ele voltasse à cena política com a sua metralhadora municiada de bobagens e bravatas. Em cerimônia no Corpo de Fuzileiros Navais no Rio de Janeiro no dia 07/02/2019, dois dias depois do seu twitter escatológico, o presidente Bolsonaro estuprou a Constituição com um curto e autoritário discurso – como de costume - e disparou: “a democracia e a liberdade só existem quando as Forças Armadas assim o querem".

Esse discurso foi suficiente para que ministros do STF e até veículos de comunicação que patrocinaram a ditadura militar, se rebelassem contra essa frase que permeia o obscurantismo. Foi o caso, por exemplo, do Editorial do jornal conservador “Estadão”. Eis um trecho do Editorial: ”...a julgar pelo comportamento muitas vezes grosseiro e indecoroso de Bolsonaro, o presidente provavelmente se considera acima do cargo que ocupa, dispensado dos rituais e protocolos próprios de tão alta função...Sobre o discurso durante cerimônia no Corpo de Fuzileiros Navais o Editorial acrescenta: Será necessário um grande malabarismo retórico para não considerar esse discurso como explícita manifestação de um pensamento irremediavelmente autoritário, de quem acredita que a democracia é apenas um favor dos militares aos civis. Para o presidente da República – é o que se conclui –, a democracia e a liberdade seriam meramente circunstanciais, pois dependeriam não da força e da solidez das instituições democráticas e da honestidade de convicção dos homens que ele próprio chefia, e sim dos humores dos quartéis...Vai mal um país cujo presidente claramente não entende qual é seu papel, especialmente quando não consegue dominar os pensamentos que, talvez, lhe venham à mente..3”.

Já o Ministro do STF Marco Aurélio assim reagiu a essa manifestação autoritária: “...A democracia é garantida pelo povo, pelo funcionamento a contento das instituições. Isso é o que garante a democracia, Forças Armadas existem para uma possibilidade extravagante numa situação de agressão externa, como recurso derradeiro. Se nós dependermos para termos dias democráticos da atuação das Forças Armadas, nós estaremos muito mal. O respaldo maior está nas Forças Armadas para uma eventualidade4”

Diante de tudo isso é assombroso, lamentável, revoltante e embaraçoso assistir que um governo com apenas sessenta e seis dias consiga denegrir com tamanha velocidade e intensidade a imagem do Brasil perante o seu povo e a comunidade internacional. Não menos constrangedor é saber que o Brasil está sendo comandado por um presidente autoritário, preconceituoso, misógino e completamente despreparado intelectual, moral, ética e psicologicamente. Que Deus nos proteja!















1 Fonte:https://oglobo.globo.com/brasil/colunistas-do-globo-comentam-video-obsceno-publicado-por-bolsonaro-23504561
2 Fonte: https://catracalivre.com.br/colunas/dimenstein/video-postado-por-bolsonaro-repercute-ate-na-onu/
3Fonte:https://opiniao.estadao.com.br/noticias/notas-e-informacoes,quebrando-loucas,70002747286
4Fonte:https://www.brasil247.com/pt/247/brasil/386159/%E2%80%98A-democracia-%C3%A9-garantida-pelo-povo%E2%80%99-diz-Marco-Aur%C3%A9lio-sobre-fala-de-Bolsonaro.htm



 Comente este texto


Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: SUcW (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP sera enviado junto com a mensagem.