A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

ALESSANDRA LELES ROCHA
Publicações
Perfil
Comente este texto
 
Jornalismo
 
Cuidado com a inveja, as aparências enganam...
Por: ALESSANDRA LELES ROCHA





Em seu discurso de posse, em 1994, Nelson Mandela diz em determinado momento que “nosso medo mais profundo não é que sejamos inadequados. Nosso medo mais profundo é que sejamos poderosos demais. É nossa sabedoria, nossa LUZ, não nossa ignorância, nossa SOMBRA, o que mais nos apavora. Perguntamo-nos: ‘Quem sou eu para ser brilhante, belo, talentoso, fabuloso? ’ Na verdade, por que você não seria? Você é um filho de Deus. Seu medo não serve ao mundo. Não há nada de iluminado em se diminuir para que outras pessoas não se sintam inseguras perto de você. Nascemos para expressar a Glória de Deus que há em nós. Ela não está apenas em alguns de nós; está em todas as pessoas. E quando deixamos que essa nossa luz brilhe, inconscientemente permitimos que outras pessoas façam o mesmo. Quando nos libertamos de nosso medo, nossa presença automaticamente liberta outras pessoas”.
Mas, apesar dele ter razão; o que nos impede de tornar suas palavras uma máxima dentro da realidade cotidiana é a experimentação amarga, perversa e real da INVEJA humana. Sim, vivemos sob uma atmosfera tóxica e pesada constituída por esse sentimento tão absurdamente pequeno e mesquinho, que limita a percepção do indivíduo de maneira tão incisiva que ele paralisa o seu próprio ser.
A inveja não edifica, não agrega, não traz nada de produtivo. É um sentir vazio e solitário, de alguém que não se sente capaz o suficiente de tomar as rédeas da própria vida pelas mãos. E, assim, ele para pelo caminho na observação destrutiva do alheio. Seu olhar só almeja o que lhe parece fácil, aprazível, como se o viver do outro fosse um eterno navegar em mares de calmaria. Como diz o ditado, “para o invejoso, a grama do vizinho é sempre mais verde”.
Segundo Miguel de Cervantes, “a inveja vê sempre tudo com lentes de aumento que transformam pequenas coisas em grandiosas, anões em gigantes, indícios em certezas”. Penso que o invejoso nunca olhou para as próprias mãos. Jamais percebeu a desigualdade que reside em si mesmo e nem deu conta de que por ela, tanta coisa importante se constrói em favor do bem. Graças às diferenças que transcendem ao morfológico da vida é que o movimento de evolução e de transformação operam milagres maravilhosos.
Diferenças que se somam que se completam, para constituir o novo, para satisfazer as demandas, para mover as engrenagens do cotidiano. Cada um com suas habilidades e competências. Cada um com seu jeito único e especial de ser. Cada um contribuindo na exata medida das suas possibilidades. Cada um carregando na alma seus espinhos, suas feridas, o peso de uma cruz que não se vê.
E se a inveja arrasta o mal para perto de quem é alvo dela, faz pior para quem a manifesta. Sem se dar conta, o invejoso deteriora o corpo e o espírito, no dispêndio de uma energia que poderia utilizar para fazer o bem a si e ao mundo. Ele não percebe que a inveja arde como fogo, queima lentamente e no fim, não restam cinzas, não resta nada que se aproveite. Afinal, a vida dos outros é dos outros; ao invejoso cabe apenas a tortura de ser um mero telespectador.
Sabemos que esse sentimento se move ao longo da história da humanidade. Sempre houve inveja. Mas, propor a reflexão sobre ela nos tempos atuais é muito oportuno, porque a humanidade caminha cada vez mais veloz na sua sede de consumo, de TER ao invés de SER, e esse é um movimento motivador para sentimentos nada edificantes, como é o caso da inveja.
As pessoas têm se dedicado a uma frenética busca pelo material, se consumido na frustração do impossível. No fim das contas, o que parece lhes restar nessa odisseia desvairada da contemporaneidade é se refugiar na equivocada contemplação do outro, como se isso pudesse aplacar os seus insucessos, os seus limites, enfim...
Somos a junção de bilhões de átomos, moléculas, que guardam toneladas de energia. Vivemos a dissipar essa carga no ambiente; às vezes de maneira altruísta, outras, destrutiva. É preciso, então, cuidado no coexistir. É preciso consciência sobre o bem e o mal que trazemos ao mundo, porque fazemos parte dele também.
Como alguém escreveu, “antes de julgar a minha vida ou o meu caráter... calce os meus sapatos e percorra o caminho que percorri, viva as minhas tristezas, as minhas dúvidas e as minhas alegrias. Percorra os anos que percorri, tropece onde eu tropecei e levante-se assim como eu fiz. E então, só aí poderás julgar. Cada um tem a sua própria história. Não compare a sua vida com a dos outros. Você não sabe como foi o caminho que eles tiveram que trilhar na vida”.
Portanto, sem essa de inveja boa! Inveja é inveja! A tarefa que nos cabe é cortar-lhe a raiz. É não nos permitir o desenvolvimento de ideias, de sentimentos nocivos e corrosivos como ela. É olhar para si mesmo, buscando encontrar o que de melhor habita em nós. É se conscientizar de que cada um traz consigo uma bagagem, cuja capacidade de carregar pertence ao seu dono. Cuidado com a inveja, as aparências enganam... Tanto a respeito do invejoso, quanto sobre quem ele se compraz em invejar.

 Comente este texto
 

Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: aMSc (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP sera enviado junto com a mensagem.