A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

ALESSANDRA LELES ROCHA
Publicações
Perfil
Comente este texto
 
Jornalismo
 
É Setembro Amarelo...
Por: ALESSANDRA LELES ROCHA




E ainda há pessoas se perguntando as razões de tantos suicídios pelo mundo 1. Isso é inacreditável! Essa incapacidade de olhar além de si mesmo, de perceber o que acontece ao redor, é absurdamente inacreditável.
Embora alguns transtornos psicológicos tendem a contribuir de modo significativo para o suicídio, é nas mazelas do cotidiano que se encontra o ponto chave desse gatilho mortal. Miséria, violência, migração forçada, guerras, desemprego,... Se viver é uma arte, a vida pós-moderna se supera na escolha da expressão; de modo que, os níveis de sobrecarga e tensão impostos aos indivíduos ultrapassam quaisquer limites toleráveis.
Tudo é rápido, intenso, mutável. Adequar-se a isso é a palavra de ordem; sem, no entanto, a garantia de sucesso e realização. Inicia-se, então, uma busca desenfreada tanto no campo do SER quanto no TER, fragilizando a percepção real do próprio indivíduo.
Atrás de suas escolhas, vontades, comportamentos, ideias,... há sempre uma voz maior que sobrepõe a sua. As conjunturas e as estruturas sociais se encarregam de “organizar” e “orientar” os caminhos a serem seguidos. No fundo, nada é tão voluntário, tão espontâneo assim. Mas, acaba acontecendo porque é da natureza humana o desejo de pertencimento, de aceitação.
Se por um lado as pessoas acreditam estar fazendo a “coisa certa”; por outro, os sentimentos e as emoções pulsam como se algo não se enquadrasse, não se encaixasse satisfatoriamente. Esse é o preço da sobreposição identitária, ou seja, permitir que as identidades propostas e/ou impostas pelo mundo sejam dominantes a identidade natural do indivíduo. O resultado disso é um processo gradativo de violência emocional, física e mental.
Na medida em que a aceitação perde espaço para a intolerância, a convivência e a coexistência se tornam ameaçadas, favorecendo a um acirramento da individualização e, consequentemente, da solidão.
O ser humano está cada vez mais só na sua bolha; de modo que, o mundo vem se tornando um coletivo delas sem que haja uma interação plena e profícua. Não é à toa que a expressão intensa, quase palpável, de sentimentos como a fraternidade, o companheirismo, a solidariedade, o altruísmo, a empatia,... está cada vez menos presente na sociedade. Por isso, as pessoas se sentem sozinhas, apesar de não estarem.
Há, então, uma desaprendizagem do diálogo. Reduzidas às possibilidades de outros para conversar franca e abertamente sobre a vida, o mundo, as suas alegrias e tristezas, o ser humano vai deteriorando suas habilidades e competências comunicativas, silenciando a sua própria voz interior. Um silêncio bastante representativo para a sua solidão. O ápice para a sua vulnerabilidade.
Nesse ponto crítico a sensação de “não ter mais nada a perder” parece concreta e o mundo se exibe cheio de artifícios para acentuar essa percepção. Drogas diversas, álcool, compulsões, enfim... Ao contrário do que se pensa o suicídio em si é apenas o trágico “gran finale”. O resultado de um processo de degradação humana, lento e irremediavelmente doloroso.
Nenhum pedido de socorro foi ouvido ou entendido. Nenhum olhar mais atento foi dispensado. Nenhum afeto foi oferecido. Nenhum cuidado com as palavras foi estabelecido. Nenhuma compreensão... Não havia olhos de enxergar voltados para aquele ser. Ele era mais um na multidão dos bilhões. Invisível, tanto quanto a sua própria dor.
E quantos ao nosso redor não caminham por essas trevas. Abandonados à sua própria sorte. Gente que, de repente, perdeu o fio da meada da própria vida. Gente que não clama por uma piedade degradante, mas por um acolhimento edificante. Gente, como eu e você. Que não tem nada de diferente, em relação a nós, a não ser o fato de não saber como lidar com esse mundo que está aí. Gente que certamente gostaria de viver; mas, perdeu a esperança na luz dos olhos cruéis de seus semelhantes.
Não se pode aceitar o suicídio como mera estatística da morte. As leis punem os crimes contra a vida, pois ninguém pode retirá-la do outro. Mas o que fazem as mazelas do mundo, e isso inclui diretamente a nossa participação social, senão empurrar os indivíduos ao desespero incurável e sombrio, no qual a morte parece à única solução possível? A vida tem feito de nós o mesmo que os feixes de cana na moenda. Bagaços. Almas esbagaçadas. E bagaços não se reconhecem úteis, importantes, vitais.
Dizia Charles Chaplin 2, “falar sem aspas, amar sem interrogações, sonhar sem reticências e viver sem pensar no ponto final”. Já passou da hora de subverter essa lógica insana que alterou o sentido e o valor da vida. A pressa, o desatino, a competitividade,... estão exaurindo a sociedade e os prejuízos são sentidos em nível mental. A sanidade do ser humano está à beira do colapso. Ressignificar os valores e as prioridades deve ser a via a se percorrer. É Setembro Amarelo 3, então, aproveite para pensar!



1 https://www.who.int/mental_health/media/counsellors_portuguese.pdf
https://nacoesunidas.org/?post_type=post&s=risco+de+suic%C3%ADdio
https://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/2019/09/800-mil-pessoas-se-suicidam-todos-os-anos-uma-a-cada-40-segundos.shtml
2 https://www.ebiografia.com/charles_chaplin/
3 https://minutosaudavel.com.br/setembro-amarelo/

 Comente este texto
 

Comentário (1)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: gTbN (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP sera enviado junto com a mensagem.