A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

ALESSANDRA LELES ROCHA
Publicações
Perfil
Comente este texto
 
Jornalismo
 
Lado A. Lado B. Isso é a vida?!
Por: ALESSANDRA LELES ROCHA




É; eu sei que Caetano Veloso escreveu “cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é” 2; mas, isso não significa que não seja possível, ainda que por um minuto, projetar-se na perspectiva do outro e tecer a experimentação imaginária para as próprias análises e reflexões.
No entanto, o que se vê em cada esquina, em cada página, em cada lugar real ou virtual, é o distanciamento efetivo desse valor humano denominado empatia 1. Hoje não foi diferente! E nessa contramão, vou acentuando uma percepção de que o óbvio nem sempre é tão óbvio assim. Vamos lá, então, tentar digerir tudo isso.
Apesar da efemeridade ou da liquefação da vida, como manifestam alguns pensadores, em uma breve observação desse incômodo “calçar as sandálias do outro” verifico um apego descomunal ao materialismo que reveste o cotidiano de milhares de pessoas; sobretudo, quando as hierarquias sociais estão particularmente evidenciadas, quase que em um movimento de “vale quanto pesa”.
Lamento que muitos resistam a enxergar a vida exatamente como ela é, dispondo também de um lado nada bonito, nada prazeroso, nada encantador,... Nada fácil. Mas, invisibilizar tais aspectos é inócuo. De um jeito ou de outro esbarramos aqui e ali com as imperfeições, as distorções, os abismos, as fronteiras... para verificar do lado de fora tudo aquilo que, talvez, não queiramos enxergar dentro da própria alma.
Um bom exemplo disso é a miséria. Quantos só enxergam a miséria além-mar, como responsabilidade de outros. Dão de ombros ou fazem cara de desentendido, quando o assunto vem à baila, buscando estilhaçar a memória a respeito e ser convocado a trabalhar em favor de mudanças.
E quão difícil para esses é romper a tradição da “casa grande e senzala”, que o colonialismo ensinou. Apesar do fato de que, enquanto subiam no tijolo por aqui, para sentirem-se superiores aos seus semelhantes; lá fora, eram as Metrópoles que nos reprovavam a insignificância e lançavam suas atitudes tiranas e inconsequentes para mascarar a exploração desenfreada que iria lhes encher os bolsos de riqueza e os palácios de poder.
Muito embora, o tempo tenha passado velhos hábitos parecem jamais se extinguir para a humanidade. Daí a miséria persistir na sua sina, graças às práxis que se inovam e incorporam outros meios. Haja vista a Síntese de Indicadores Sociais (SIS), divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), esse ano.
Em 2018, “embora um milhão de pessoas tenham deixado a linha de pobreza – rendimento inferior a US$ 5,5, medida adotada pelo Banco Mundial para identificar a pobreza em países em desenvolvimento como Brasil – um quarto da população brasileira, ou 52,5 milhões de pessoas, ainda vivia com menos de R$420 per capita por mês. O índice caiu de 26,5%, em 2017, para 25,3% em 2018, porém, o percentual está longe do alcançado em 2014, o melhor ano da série, que registrou 22,8%” 3.
Não precisa, portanto, ser nenhum gênio da matemática ou expert em finanças para entender que, enquanto poucos podem se privar de alguns pequenos “luxos cotidianos”, sem que isso lhes afete a dignidade e a sobrevivência, a grande maioria da população passa fome e morre desassistida na privação da sua própria cidadania.
E quando se lança o olhar sobre os mesmos dados; mas, com ênfase na perspectiva das diferenças raciais, a desigualdade se torna ainda mais chocante. Talvez, seja nesse instante que o espírito essencialmente humanitário se esvai como fumaça quando é posto à prova um mísero sinal de empatia. “Se não tem pão que comam brioches”, não é mesmo?! O escárnio grosseiro da afirmação, felizmente, só faz saltar aos olhos o menosprezo pelos miseráveis e menos afortunados.
Entretanto, quando se observa com mais atenção, vê-se que não escondem a necessidade de tê-los por perto. Ainda que parcos os seus impostos, eles fazem a diferença na balança. Sua força de trabalho. Sua subserviência política. Enfim... Não existissem esses pobres diabos, o que seria do topo da pirâmide?!
Brilhantes entre espumas de detergente e louças sujas?! Roupas separadas e dispostas no tanque para lavar?! Assoalho limpo no vai e vem das vassouras?! O calor, esvaindo das panelas e fornos, expresso no suor do rosto?!... Não, não haveria viagens nacionais e, nem tampouco, internacionais. Não haveria cartões de crédito sem limite. Não haveria jantares nababescos. Não haveria glamour. Não haveria lado A para a vida.
A miséria subsaariana é só um lado desse prisma. Um lado distante. Mas, a miséria desfila por todo o mundo, inclusive aqui. Com ela, a ausência de “educação, trabalho, moradia, transporte, lazer, segurança, previdência social, proteção à maternidade e à infância, assistência aos desamparados” 4, também, se exibe entre nós; o lado B da vida.
Até quando esse “lado” irá resistir às pressões de tanta opressão não se sabe; mas, o caminho para sucumbir parece inevitável. Então, a busca pela igualdade e pela equidade de direitos e oportunidades não pode ficar à margem das prioridades humanas. Esquecida e adormecida em meio aos devaneios de uma ensandecida idealização.
E o ponto de partida para esse movimento de despertar e transformar é abstrair os rótulos, os estereótipos, as classificações e olhar para as pessoas, apenas, como seres humanos. Isso é empatia! Ser humano já é uma tarefa e tanto que não precisa de mais obstáculos para se desenvolver.
Nenhum ser humano, por exemplo, é isento da dor, do sofrimento, da angústia, da carência; do mais rico ao mais pobre algum dia ele (a) irá experienciar essa prática. Apesar das diferenças e particularidades o processo não perde o seu valor, nem a sua dimensão. Afinal de contas, um ser que pode ser muito mais do que a casca de uma miséria narcísica e improdutiva, precisa descobrir e entender o que é ser inteiro, o que é ser feliz, antes de sair falando bobagens estúpidas e desnecessárias por aí.


2 Dom de Iludir - https://www.letras.mus.br/caetano-veloso/44719/
1 Com origem no termo em grego empatheia, que significava "paixão", a empatia pressupõe uma comunicação afetiva com outra pessoa e é um dos fundamentos da identificação e compreensão psicológica de outros indivíduos. (https://www.significados.com.br/empatia/)
3 https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/25882-extrema-pobreza-atinge-13-5-milhoes-de-pessoas-e-chega-ao-maior-nivel-em-7-anos
4 Art. 6º, da Constituição Federal de 1988.

 Comente este texto


Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: SPCO (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP sera enviado junto com a mensagem.