A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

JOSE ROBERTO TAKEO ICHIHARA
Publicações
Perfil
Comente este texto
 
Jornalismo
 
Gracias, hermanos
Por: JOSE ROBERTO TAKEO ICHIHARA

Gracias, hermanos

Conhecidos por sua arrogância e autoconfiança, principalmente perante os brasileiros, quando se acham infinitamente superiores em tudo, os nossos vizinhos argentinos perderam de três a um numa partida de futebol muita tensa. O mais agravante, para eles – e espetacular para nós – é que valia pela classificatória da próxima Copa do Mundo de 2010, na África do sul. Como sempre, no decorrer da semana, o jogo foi precedido de muita provocação por parte deles.
O time canarinho soube se comportar muito bem dentro de campo, evitando os lances mais ríspidos, uma especialidade dos argentinos, concentrando toda atenção em chegar ao gol adversário. Nem a manobra de levar o jogo para um estádio mais “apertado”, que permite uma pressão maior da torcida, ou a restrição na aquisição de ingressos para os brasileiros, ajudou e correspondeu às intenções do técnico Maradona. O que se viu foi muita roída de unha deste!
Para quem curtiu o feriado prolongado, devido ao 7 de setembro, numa segunda-feira, este sábado foi muito prazeroso. Ganhar no terreiro deles, de forma incontestável, foi bom demais. Melhor ainda que nenhum dos nossos atletas desabafasse comentando as declarações deles, de que o Brasil “treme” quando joga contra eles. Fora a quebra de tabu sobre a invencibilidade deles por longo período em terras portenhas. Aliás, quebrar tabu está se tornando comum para este time.
Mas esta boa fase teve um inicio conturbado: críticas, desconfiança com o Dunga, que nunca havia dirigido nenhum time de futebol antes, escalações imerecidas e por aí vai. Por ser uma paixão nacional, a seleção sempre é motivo de muita divergência, discussão, opiniões e insatisfações. Como costumamos ouvir, somos um país de milhões de técnicos de futebol. O momento atual, portanto, deve ser o ponto de convergência de todo aprendizado sobre o assunto.
A guerra de nervos que os argentinos tentaram impor aos brasileiros incluía até comparações entre os craques. Maradona foi melhor que Pelé! Messi é muito melhor que Kaká! O importante é que nada disso ajudou no resultado construído dentro das quatro linhas. Lá, valeu a aplicação do conjunto, o talento para fugir das mandingas dos hermanos, a presença do Luís Fabiano na hora certa. Por tudo isso – e pelo melhor comportamento – deu Brasil.
Ganhar deles é muito bom! Melhor ainda se for por um placar que caracteriza a superioridade. A TV mostrava as fisionomias de Dunga e Maradona. Aquele estava sério, mas não demonstrava desespero – até tomava goles de água. Este roía as unhas o tempo todo e ficava mais calado a cada gol brasileiro. Nem lembrava o fanfarrão das declarações para a mídia antes da partida. Parecia não acreditar no que estava acontecendo - futebol se ganha no campo, hermano!
Fora a derrota para os brasileiros, dentro de casa, os tradicionais rivais correm o risco de perder a classificação e apelar para a repescagem. Quem diria? Parece que o dia 5 de setembro não é bom para os argentinos. Foi numa data destas que eles levaram uma goleada da Colômbia, há alguns anos atrás. A aparência de derrotado do Maradona, na coletiva após a partida, refletia o que significou este resultado para ele. Mesmo sendo um ídolo, muitos devem estar descontentes.
Uma partida de futebol, como qualquer disputa entre competidores, não pode apontar definitivamente quem é melhor, mais bem preparado, mais competitivo. Mas serve para mostrar as atitudes, a disciplina, os ataques aos pontos fracos do adversário – enfim, quem foi mais objetivo e eficaz. Quem poupou energia para utilizar nos momentos certos, onde precisava o máximo de explosão para alcançar o resultado. Que não existe nenhuma fórmula mágica para o sucesso.
Pensar que o caneco e o titulo inédito na Copa do Mundo de Futebol já é nosso pode ser o maior engano que cometemos. Além do fato de, historicamente, sempre ganharmos quando o time se classificou com dificuldades e saiu totalmente desacreditado daqui. Mas como ultimamente estamos quebrando muitos tabus, pode ser que até este seja vencido e mude a história da maior paixão dos brasileiros. Conseguir a classificação antecipada foi ótimo. Gracias, hermanos!

J R Ichihara
09/09/2009

 Comente este texto



Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: aRPQ (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP sera enviado junto com a mensagem.