A casa dos grandes pensadores
 
 
 
 

FERNANDA MOROSO

 

 

 

Às vozes sem razão
 
E na história em que vivo
encontro rumores de mim,
pessoas que não me conhecem
pensam que eu não vivo aqui.
Aos homens já impuros
permaneço no passado,
no verde de outro mundo,
num amor fracassado.
Não aceitam meu presente,
nem mesmo os meus conceitos,
pensam que vão conseguir acabar
com tudo que tenho feito.
Promessas vazias, infindas
ao que há de bom
nesta vida.
Vivo além dos prazeres
desta terra,
encontrei nos afazeres
o poder que me liberta.
Sinto pena da fraqueza que
atormenta esses homens iludidos,
prendem-se à pobreza que
os condena para os mundos perdidos.
Enquanto, perdem-se inutilmente
eu fico aqui e faço a minha história,
meus versos, docemente,
invadem espaços a toda hora.
Sou feliz por ser quem eu sou.
Vivo do meu jeito
e sem preconceito me vou
ao mundo desconhecido
da poesia perdida
que me restou.
 
(a ser publicado no livro Diário de Poemas)
 
Fernanda Moroso
                      
Publicação: www.paralerepensar.com.brr 21/07/2006