A casa dos grandes pensadores
 
 
 
 

FERNANDA MOROSO

 

 

 

 
A HORA DA VERDADE
 
Salve Clarice!
 
Da sua burocracia
Me ferem os sonhos e esperança de gente
De seus interesses
Me sobra a ilusão ferida inocente
De suas transgressões,
Minha identidade de indigente
De suas leis
Me ferem os crimes e os restos de excedente
De meus crimes
Seus medos em sua prisão
Nos meus crimes,
A fome às margens da negação.
 
Fernanda Moroso
                      
Publicação: www.paralerepensar.com.brr - 05/02/2009